Desejos do Facebook

Valeu ...O reconhecimento!

Grata aos seguidores.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Comendo uma Ninfeta Virgem e Gostosa.


Olá eu sou o Roberto tenho 39 anos,engenheiro, sou casado e trabalho cidade longe de casa fico muitos dias sem ver minha esposa.
E o pior que fico longe da cidade, mulher  mesmo que vejo só a esposa do mestre da obra  sua filha uma jovem ninfeta.Os peões e eu nos acabamos na punheta ,por causa da ninfeta que sempre fica de um lado para outro,e isto dá asas aos pensamentos.
Pois [e:Eu ficava hospedado em um hotel próximo a obra, onde tem uma casa que mora o mestre e sua família, vez ou outra a mulher do mestre me convidava para fazer alguma refeição aos domingos em sua casa, como estava longe de casa ia, sem intenção de nada fora do normal.
Mas quando via a ninfeta passando de um lado para outro com seus seios pequenos e durinhos eu ficava cheio de tesão.A ninfeta vestia umas calcinha enfiadas no reguinho que me deixava alucinado.
Mas fazer o que?
Ficava excitado de verdade e passava o maior sufoco, voltava para o hotel na cidade e me acabava de masturbar.
Nos meus pensamentos só enxergava a Diana aquela ninfetinha virgem, morena com ancas desenvolvidas, querendo e pedindo para desabrochar para a vida.
Eu sempre pensava nela e comigo mesmo dizia se me desse chance eu nem pensava duas vezes iria torná-la mulher do jeito que ela quisesse e eu também.
Como eu sou um filho de Deus fui agraciado, e até hoje sou grato por este dia.
Era um feriado e o mestre me convidou para almoçar em sua casa, como era de hábito não rejeitei ,afinal uma comida caseira e simples é tudo que um homem quer quando está longe de casa.
Levei um bom vinho e uma caixa de chocolate para a jovem Diana, que ficou agradecida, mas com sua timidez enrubesceu quando me agradeceu.
Tomamos o vinho eu seu José até sua esposa Marta se arriscou e tomar um copo, logo após o farto almoço quando eu me despedir de todos para vir para o hotel seu José com sua simplicidade me indagou se poderia dá carona a sua filha até a cidade, pois a mesma iria fazer uma prova no dia seguinte.
Fiquei radiante de saber que teria alguns minutos da companhia da bela ninfeta.
Assim viajamos as 17 h, mas volta e meia quando trocava de marcha minha mão esbarrava em seu joelho.Mas as coisas mudam para minha felicidade o  pessoal  seus parentes tinham ido viajar,assim  moça não tinha para onde ir.
Diana ficou muito triste, pois iria perder a prova que iria fazer para ingressar em um trabalho, aí tive a idéia que poderia ficar comigo no hotel, pois meu quarto era solteiro duplo e tinha duas camas.
Meio indecisa e relutante aceitou, mas com uma condição que seus pais não soubessem, pois poderiam não gostar, afinal eu era casado e com idade bem acima da sua e poderiam pensar coisas.
Concordei sem pestanejar sabia que dali poderia me render uma boa aventura ou um caso, afinal qual homem resiste a uma ninfeta inexperiente.
E eu sou homem e caçador.
Assim que a levei para o jantar vi seus olhos negros brilharem de felicidade ao adentrar ao restaurante, deixei ela fazer seu pedido do jeito que quisesse.
Conversamos muito e indaguei se tinha namorado, respondeu que tinha uma paquera Ricardo o almoxarife da obra, senti uma pontada de ciúmes, ela Diana uma flor a desabrochar nas mãos daquele peão, que andava para cima e para baixo na obra, que mal sabia ler e escrever.
Fiquei possesso de ciúmes e na minha mente comecei a desenvolver um plano de possuí-la, pois  eu a desejava  muito.
Diga-me Diana você o ama?
_Ah não ... Apenas trocamos alguns beijos não é nada serio *seu Roberto sei que ainda vou achar alguém que me ame, como eu mereço, bem pensando assim já me deu um sinal que ainda era virgem.
 Só de pensar estas coisas faziam com que aumentasse meu tesão.
Durante o jantar: Sem querer encostei minha perna na sua senti  ficar rígida,mas deu para perceber que ficou arrepiada.
Durante o jantar eu saboreava um bom vinho, ela sorveu apenas suco, me disse que o vinho a deixaria embriagada.
Sem querer  eu rir e.Afirmando  que uma taça não faria mal assim lhe ofereci uma taça ,que aceitou afinal estava no hotel mesmo.
Quando marcou 22 horas falei com Diana que já estava na hora de ir dormir, pois teria que acordar bem cedo, ela riu e falou com a voz em tom baixo é tarde precisamos ir dormir mesmo!
Senti um pouco de emoção em sua voz, mas nada falei sai em direção ao elevador e sem querer nossos corpos se tocaram.
Foi algo rápido, mas com efeito devastador meu tesão ficou em alerta e fiquei excitado, ela notou o volume na minha calça que mesmo folgada marcava.
Sem pensar muito me deixei ser guiado pelo desejo no elevador comecei a acariciá-la.
 Logo a estava beijando.
 Diana retribuiu o beijo enquanto minhas mãos iam percorrendo aquele corpinho gostoso.
 Logo guiei a sua mão até meu cacete.
Ela segurou com timidez, mas não tirou sua mão.
Ambos estávamos com muita vontade, entramos nosso quarto e logo a abracei.Impus meu desejo de macho  e aproveitei para acariciar seus seios e suas coxas. (ela estava com um vestido preto com uma pequena abertura lateral) que dava espaço para a minha mão manusear sua xoxotinha virgem sem incomodar.
Senti sua umidade,meus dedos ficaram lambuzados de seu néctar.Diana ronronava igual uma gata no cio.
Não agüentei e tirei meu cacete para fora e ela começou uma deliciosa punheta.
Seu sexo estava molhado de tesão.
Meu cacete parecia uma rocha.
Eu a queria muito queria foder ali em pé mesmo ,mas ela falou que ainda não estava pronta.
 Ergui seu vestido e coloquei meu cacete entre suas coxas, ela rebolava sentindo o calor do meu cacete,o vai e vem gostoso sentindo seu fogo.apalpava seus seios pequenos e durinhos.
Sua xoxota parecia uma labareda de intenso calor.
 Não demorei e gozei ali mesmo.Era muito tesão acumulado precisava tirar o atraso.
Senti seu corpo ficar mole.O gozo foi rápido.
Ambos tivemos um orgasmo mesmo sem a penetração.
Peguei-a no colo levando para cama.
Coloquei-a deitada e comecei acariciar seu corpo tirando sua roupa peça por peça ela gemia.Mordiscava seus seios,apalpava suas coxas,apertando sua bunda durinha.Fiquei enlouquecido pela ninfeta.
Meu cacete estava  duro como nunca, ficamos nos acariciando,fui me deitando junto a ela na posição perfeita para um sessenta e nove.
Ela tímida apenas acariciava meu mastro que já soltava uma babinha de tanto tesão.Eu falava palavras de carinho ,falando que não se preocupasse que não iria machucá-la que se soltasse ,queria mostrar a ela como o sexo é bom.
Ela ficava só concordando com gemidos e palavras curtas.
Aham...Sim... Ahhh....Delicia está tão gostoso!
Eu sentia a imensidão de seu desejo,mas o seu temor a bloqueava. Tinha receio de se entregar.Mas eu não desistia redobrava em caricias.
Abri suas pernas ,alisando seus pelos ralos,com poucas palavras lhe pedi,que apenas  deixasse dá um cheiro em sua xoxota?
Ah tá bom!Comecei alisando seus pelos ,dando leves beijos Diana ia abrindo suas pernas levemente,em minutos estava como uma flor a desabrochar.Sua xoxota úmida com seu grelinho pedindo carinho.Fazer o que não é.
Pois bem ...
Cai de boca lambendo seus lábios, sugando de leve seu grelinho ouvindo seus gemidos de prazer.
Depois de um tempo não agüentei me entreguei a saborear com euforia os lábios bem rosados e bem fechadinha e com os cabelinhos ralinhos.Sua rachinha virgem ,era terra inexplorada.
Fui contemplado .
Diana estava toda molhada.
Escorria uma seiva alucinante.
 Até parecia que era a primeira xoxota que eu chupava.
Entrei em um verdadeiro transe.
 Não consegui resistir em lamber o cuzinho cheiroso e rosado.
 Que cheiro... A xoxotinha e o cuzinho dela estavam inalando o aroma dos deuses.
 Até que senti que seu corpo sofreu um tremor intenso,senti meus lábios serem inundados por uma grande quantidade de seu liquido, percebi que ela estava tendo orgasmos múltiplos
Fui ao delírio. Chupei e saboreie aquele manjar delicioso.
Eu não acreditava na minha sorte, virgem e ainda ter orgasmos múltiplos.
 Ela gemia e se contorcia na cama.
Demorou alguns segundos aquietou-se.
Vir-me-ei um pouco e coloquei meu cacete de 20 cm perto de seus lábios ,pedindo para ela me  chupar, ela teve um pouco de receio,mas logo tomou coragem e meteu a boca... Dava para perceber que nunca tinha chupado um cacete antes.Fui ensinando...Aprendeu rápido.
  Aos poucos e timidamente ela começou a pegar prática e chupou até meus ovos e só parou quando comecei a gozar.
Ainda sorveu um pouco do meu leitinho, pois foi pega de surpresa, mas logo ela fechou a boca e eu gozei em seu rosto todo.
 Fomos para o banheiro.
 Diana estava bastante envergonhada,
Foi quando comecei a conversar com ela , comecei a acariciá-la.
Ela se soltou novamente e eu pude ter a chance de possuí-la.
Abri suas pernas e passava as mãos em sua xoxota ela dava gemidos.
Coloquei camisinha e fui por cima dela.
Coloquei suas pernas em meus ombros sem dificuldades, passava a cabeça do cacete de um lado para o outro alisando seus lábios ,encostava de leve sentia seus gemidos e temor.
Com calma a preparava a beijava, esperando momento certo para enfiar, afinal minha experiência contava mas o desejo de possuir principalmente pela virgindade dela, ansiava cada minuto .
Eu continuei tentando e devagarzinho fui metendo meu cacete e quando a cabecinha entrou, Diana deu um grito e começou a gemer.
Esperei um tempo só com a cabeça dentro,foi quando ela pediu para que eu parasse, selei sua boca com um beijo e terminei de meter meu cacete.Meti até o talo .Deu um gemido alto cravando suas unhas na minhas costas.Era dor dando lugar ao prazer.
Ela se entregou ao delírio ,gemia ,gritava, rebolava embaixo.Eu parecia um garanhão reprodutor,estocava e parava ai Diana pedia que não parasse.
Foi assim que ficamos no movimento do vai e vem, senti seu gozo se espalhando e lambuzando todo meu cacete e meus  culhões.
Ela alternava rebolando entre gritos e gemidos.
Assim quando me dei conta já tinha gozado dentro de sua xoxotinha virgem. Ficamos alguns minutos nos beijando e quando tirei meu cacete vi a camisinha suja com um pouco de sangue.
 Sangue que veio do seu cabaço.
Um troféu para um coroa tirar a virgindade de uma ninfeta.
 Falei com Diana que o que tinha acontecido era normal e que um dia teria que acontecer.
Isto faz parte do ciclo da vida.
 Já bem mais tranqüila...
Recomeçamos uma nova sessão de carinhos.
Falou-me com uma voz suave que tinha gostado, apesar da dor e que eu a tinha transformado em mulher.
Mas que gostaria que seus pais não soubessem.
Falei que não se preocupasse que agora ela seria minha namorada para sempre.
Só de relatar sinto meu cacete dá uns pulinhos de tesão .
 O tempo passou, mas o tesão por Diana só aumentou agora ,ela mora na cidade e sempre nos encontramos e passamos a noite juntos.
Deixou de ser uma ninfeta, agora é uma bela mulher e cada dia que passa aproveitamos cada minuto juntos.
Tanto como na cama como fora dela.
Outro dia na obra a danada foi até onde eu estava com um vestido e sem calcinha e eu a comi ali encostada a minha mesa.
Não temos lugar para transar só basta sentir vontade que Diana topa.
Casa de seus pais enquanto dormem ,no carro ela adora.
Na obra adrenalina é dez.
Diana uma libertina com cara de menina sapeca.
Isso me deixou fascinado por aquela menina e que durante muito tempo será assim.
Uma putinha safada que me seduz e me faz feliz a cada dia mais.
 Até quando ela quiser vou tentar levar este relacionamento adiante afinal só vou em minha casa, com minha esposa a cada 15 dias e um final de semana é muito pouco para saciar minha fome de xoxota.
A coisa mais gostosa que tem.
 

*Quem gostou pode dá opinião que será bem aceito criticas é bom para retificar os erros.
               Docecomomel (hgata)
“Não confundam o autor com suas obras”

Vejam meus BLOGS:
http://sensacoescomemocoes.blogspot.com/
http://desejosdeinsanos.blogspot.com/
http://sedentosdesexo.blogspot.com/
http://noisdafeira.blogspot.com/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...