Desejos do Facebook

Valeu ...O reconhecimento!

Grata aos seguidores.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Trepando com Minha cunhda gostosa II




Olá
Depois que transei com a minha cunhada no sofá de minha casa, minha vida sexual ficou uma maravilha. A safada mora bem perto de minha casa e só basta ter uma oportunidade que já estamos trepando.
Já tive muitas mulheres fogosas, mas igual a ela, não:
 Sempre com maior sacanagem trepamos, ela não tem esta de ficar no papai e mamãe, adora uma variação de posições que me deixa louco e alucinado. Adora gemer alto muitas vezes quando estou fodendo-a de quatro (4) seguro em seus cabelos como se fosse uma crina e deixo escandalizar mesmo.
Parece que a cada estocada os gemidos aumentam e o tesão mais ainda.
Para quem não leu meu primeiro conto ai segue meus dados
Eu sou negro bem dotado com um cacete de 21 cm grosso cheio de veias com cabeçorra vermelha que deixa muita mulher tarada, sempre querendo mais. Não sou de negar fogo, más ando tão tarado por minha cunhada que a situação esta fugindo do meu controle. Só de pensar na safada meu cacete já fica em estado de ereção
Eu sou casado minha esposa é muito simpática, amiga atenciosa e carinhosa, mas todo homem quer que as qualidades se estendam até a cama. Pois bem minha esposa não é muito fogosa. Minha esposa vai fazer uma cirurgia e sabíamos que iria precisar de uma pessoa para cuidar dela em tempo integral.
-Quando minha esposa falou querida espero que não se incomode e nem se ofenda, mas em vez de chamar uma pessoa estranha para ficar em nossa casa, que tal Alice minha irmã?
Só assim ficarei tranquila sabendo que você não vai ficar de gaiatice com nenhuma mulher, ainda mais dentro da minha casa.
Gelei quando ouvi isto.
Caramba minha esposa ingênua dizer isto, não sabendo ela que ando trepando com irmãzinha safada dela todos os dias..._Você que sabe querida, respondi mas prevendo que as coisas iriam esquentar.
Assim minha esposa foi fazer cirurgia, no primeiro dia minha irmã ficou de acompanhante.
Cheguei do hospital era mais de 18 h tomei banho fiquei de cueca vendo televisão.
Levei até um susto quando vejo minha cunhada entrar rapidamente.
-Que você esta fazendo aqui Alice?
_Vim dormir com meu cunhadinho para ele não ficar sozinho e triste.
_Ah é?
-Sim meu querido, hoje quero matar meu desejo de foder com você na sua cama.
_ Você é maluca mulher tua irmã no hospital e você quer trepar.
-Ah vai... Vai brochar é?
-Que nada... Aqui é macho não amarela de jeito nenhum.
-Meu cacete já estava duro dentro da cueca. Vem amor vem matar o desejo de sua cunhadinha prometo te satisfazer do jeito que você merece.
A safada da Alice já veio por cima se esfregando, foi quando eu disse fecha porta putinha e vem provar do cacete de seu cunhadinho negão!
Alice veio e abaixou-se a meus pés, começando alisar meu cacete sobre a cueca. Logo estava me pagando um delicioso boquete, eu segurava sua cabeça forçando-a absorver meu cacete garganta adentro.
Sua saliva escorria pelos cantos da boca.
-Chupa vadia...Bebe leitinho de seu macho ...Bebe...Safada...Ah que delicias de boquinha.
-Ai que Alice chupava mais ainda, meus culhões estavam a ponto de explodir de tanto tesão.
De repente Alice se esgueirou para o sofá deitando e eu por cima mandando ver cacete na garganta.
Ela se contorcia de prazer.
Eu nem se fala estava adorando sentir cabeça do cacete tocar em sua garganta.
Não tinha como escapar forcei mais um pouco e com um olhar cumplice ela balançou a cabeça  comecei a esporrar jatos fortes de esperma na boquinha de minha cunhadinha safada.
Parecia um bebe faminto segurando na base do meu cacete sorveu de todo meu leite.
Claro que  já tinha gozado na boca várias vezes mas a intensidade deste gozo foi além da conta, pois foi a verdadeira garganta profunda.
Nada melhor do que se entregar de corpo e alma aos prazeres que a vida nos oferece.
E uma boa trepada é uma das coisas mais gostosa que tem.
Deixei Alice deitada no sofá e cai de boca na xoxota lisinha e encharcada.
Parecia uma fonte inesgotável de prazer.
Minha cunhada é uma delicia de mulher, mordisquei e chupei seu grelinho até deixar ele durinho e vermelho. Senti seu mel escorrer pela minha língua foi muito prazeroso.
 Ficamos alguns minutos abraçados e logo fomos tomar um banho.
Alice esfregava minhas costas, alisava minhas coxas, segurava meu cacete.
O mesmo eu fazia com ela, esfregando e alisando seu bumbum dando leves palmados.
A safada se abria toda, peguei um pouco de shampoo e fiquei esfregando e alisando seu bumbum e meu dedo ágil escorria ate seu cuzinho, quando meu dedo indicador escorregou ate seu anel Alice soltou um sonoro gemido. Foi à certeza que queria fazer um anal ali mesmo no banheiro. Fiquei só brincando com ela encostava-me cacete deixando sentir mesmo a firmeza da cabeçorra na entrada de seu cuzinho. Sentia que estava receptiva, abria as nadegas.Minha vontade era de meter de uma vez só, mas mulher é coisa pra se usar preservar e conservar.
Sempre soube como agradar uma fêmea.
Nunca transei com uma mulher uma única vez, pois as trato como deusas e todas ficam gostando do negão...
Assim me afastei pouco peguei uma camisinha no armário do banheiro deixando a disposição. Alice se esfregava em meu corpo parecia uma gata no cio, mamava e mordiscava seus seios deixando os bicos mais eriçados a apetitosos. Meu cacete parecia uma tora negra dura, minha excitação estava tão grande que meu cacete fazia um arco apontando para meu umbigo.
Induzi a ficar apoiada com as mãos na parede, coloquei a camisinha. E comecei a encostar cabeçorra na portinha do seu cuzinho. Alice se abria toda.Eu encostei e forçando um pouco ai a cabeça começou a entrar ela gemeu alto. Eu ficava parado esperando sua reação, quando Alice começou a rebolar com cabeça do cacete atochado em seu rabo, não deu outra segurei com uma das mães em sua cintura e forcei até cacete ficar todo atochado. Esperei alguns minutos e logo comecei  uma sequencia de estocadas que parecia um bate estaca em ritmo acelerado.
Alice gemia, pedia para tirar e eu sem dó nem piedade metia com maior intensidade.
Não forcei apenas dei o que havia me pedido.
Continuei  metendo e com as pontas dos dedos batia uma siririca.
Alice rebolava e gemia ,quando senti seu gozo nas pontas dos meus dedos, acelerei mais um pouco e explodi.
Dei fortes esporradas dentro da safada que pensei que a camisinha ia estourar.
Nossas respirações foram se acalmando, meu cacete amolecendo e lentamente saiu do rabo de minha cunhadinha safada.
-Ah meu cunhadinho me arrombou desta vez.
-Calma gata safada que ainda tem mais, retirei camisinha e pedi que viesse acabar o servicinho.
-Alice abaixou e começou a lamber meu cacete deixando limpinho.
Acabamos o banho e fomos para a minha cama.
Este era o desejo dela, nada mais junto que satisfaze-la.
Me deitei e fui logo falando, venha putinha, cavalga no seu garanhão:
Alice começou dando umas lambidas no meu cacete.
Que ficou logo super duro.
Alice ficou em pé na cama e rebolando e dançando vinha lentamente ate encaixar,seu lábios vaginais se abriam para receber meu cacete que entrava suave.
Começamos uma sincronia de movimentos.
Sentou no meu cacete e rebolava sem parar, ela cavalgava como uma eximia amazonas.
-Eu socava meu porrete em uma dança sincronizada.
-Quando meu cacete entrou até o talo ai fomos a loucura Alice ficou em um sobe e desce que me deixou cheio de tesão em poucos minutos estava pronto para gozar, ela desceu eu segurei em suas ancas e forcei de baixo pra cima ficando com cacete atochado até o talo ,explodi em um gozo que nem parecia que tinha poucos minutos que tinha acabado de gozar.
Fui tão fundo que sentia suas carnes latejando na cabeça do cacete.
Ficamos alguns minutos atracados e só nos demos conta  que foi sem camisinha quando meu esperma começou a escorrer.
-Alice safada ainda disse pronto acabamos de fazer um filho.
Não me preocupei e nada disse...
Pois  sou vasectomizado e isto só eu e minha esposa sabe
.Deixa  a safada vim me procurar dizendo que está gravida que saberei como resolver.
Mas no dia seguinte minha esposa voltou do hospital e minha cunhadinha se comportou muito bem.
Para evitar desconforto com minha esposa operada fui dormi no quanto de visitas que temos em casa e sempre altas horas minha cunhadinha vinha me visitar
É claro que a única coisa que poderia fazer era fechar a porta e dá uma trepada rápida, digo rápida, pois o tempo era pouco, mas a gozada era inevitável.
Minha cunhada passou 30 dias em minha casa e não teve um dia que não fodemos.
Parecia i uma ninfomaníaca insaciável.
Quando ficou menstruada, mesmo assim colocou O.b ,eu mandei ver cacete no rabo.
Se ela é safada eu sou mais ainda.
Claro que adorei.
.Assim tive 30 dias de amante a domicilio e minha esposa teve uma enfermeira  dedicada , Alice foi para sua casa e nos afastamos um pouco  mas.
Alice neste ultimo final de semana esteve em nossa casa e disse que esta de namorado novo, mas que nem se compara comigo na cama.
Falou estas palavras alisando meu cacete enquanto sua irmã preparava um café.
Claro que fiquei excitadíssimo.
Minha esposa ainda perguntou se ela estava gostando do novo amor a resposta dela foi simples e direta.
Estou gostando, mais nem se compara ao meu amante secreto.
Coisas da vida não e?


Docecomomel(hgata)
26/12/2012.
Vejam meus blogs
http://sensacoescomemocoes.blogspot.com.br/
Contato.docecomomel2011@hotmail.com/
Imagem do google

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Meu Amante do Interior !







Olá eu sou Márcia tenho 35 anos estou solteira por opção não por devoção.
Sou morena clara tenho 1.68, 62 kg cabelos e olhos castanhos.
Tenho uma filhinha do meu relacionamento com Marcos meu ex-marido.
Nós convivemos sete anos, mas cansei de ser explorada.
Sustentar macho só se for de xoxota todo dia.
Pois bem eu trabalho em uma empresa de representações.
Vendo produtos naturais para farmácia e pequenos mercadinhos.
Viajo muito pelo interior.
Algumas vezes vou de ônibus, mas quando roteiro é maior pego meu corsa e sigo minha vida.
Afinal o mar não está para peixe.
No final do mês passado fui viajar para região Sul da Bahia.
Chequei até a cidade de Itamaraju me hospedei em uma pousada muito simples, mas de ótima qualidade.
Quando digo simples é que não é nem hum hotel de cinco estrelas, mas muito acolhedora e organizada.
Cheguei fiz meu registro deixei a mala no quarto tomei um banho e saí para visitar alguns clientes que já estavam agendados.
Quando chequei quem estava na recepção era a proprietária uma moça muito simpática e gentil.
Assim sai e fiquei quase dia todo na rua visitando meus clientes.
Mas quando voltei à noite quem estava na recepção era um rapaz muito bonito.
Seu nome era Val vi escrito em seu crachá.
Muito simpático o atendente.
Aproximadamente 28 anos, morenos cabelos negros e curtos.
Entrei e fui direto para meu quarto descansar um pouco, pequei no sono e quando acordei estava morrendo de fome.
Fui até recepção e indaguei ao recepcionista onde encontraria um restaurante para fazer uma refeição leve.
Ele me informou que na praça principal havia vários quiosques que forneciam lanches e sucos.
Assim me arrumei e fui em direção à praça. Eu vestia uma saia preta provocante uma blusa fina que acentuava bastante os bicos dos meus seios.
Ao estacionar o carro perto do Quiosque sentir que vários homens me olhavam.
Fiquei sentada aguardando meu lanche e tomando um suco de laranja, quando vejo descer de uma motocicleta um rapaz muito bonito.
Seu porte já me chamou à atenção.
Quando observo mais atentamente o reconheço é o rapaz da pousada que se chama Val. me cumprimentou e  eu como um sorriso  ofereci lugar a minha mesa e ele com um sorriso veio e sentou.
Ficamos conversando sobre a cidade atrativa e dificuldade como toda cidade tem.
Depois que meu lanche foi servido Val me chamou para dá uma volta para conhecer a cidade.
Como eu não conhecia mesmo a cidade aceitou o convite assim saímos. Assim ficamos dando volta pela cidade. Eu é claro abracei pela cintura enquanto Val pilotava sua moto. Senti que tinha momentos que ele acelerava mais aumentando a velocidade... Aí que eu o apertava mais ainda.
Depois de mais de uma hora conhecendo a cidade Val dirigiu-se a autoestrada onde havia uns postos de gasolina churrascaria e Motel**. Mas não paramos seguidos pela estrada por mais alguns Km depois de um tempo abraçada a Val sentindo o aroma de sua pós barba. Fiquei inebriada parecia que estava nas nuvens com um homem jovem e bonito. Senti um pequeno arrepio ao pensar nele como um macho em potencial. Paramos em uma lanchonete tomar um café Val se aproximou e me deu uma cantada... dei um sorrisinho e ele se encorajou para puxar  continuar o xaveco.....dei um sorriso e ele me deu um beijo....
Eu estava com a maior excitação (há meses não dava uma trepada)... Ele notou bico dos meus seios ficarem eriçados. Logo estávamos no maior Love beijando-nos e acariciando. Estávamos em pé encostando-se à moto.
Sentia o calor de seu cacete rígido.
Depois de um longo beijo Val me chamou para ir para um lugar mais tranquilo.
Respirei fundo e assenti com a cabeça, o rala-e-rola naquele momento era inevitável.
Logo montamos na moto e acabamos seguindo para um motel.
Assim que entramos nos atracamos com fúria e arrancamos as roupas um do outro...
Val adorou ver minha xoxota lisinha desenhando a calcinha que já estava molhada. Fomos tomar banho e no banheiro Val deu inicio a melhor chupada de xoxota que já recebi. Lambia firme meu clitóris e enfiava a língua na xoxota com tanta intensidade que eu me contorcia de prazer.
Logo Val me fez gozar e sugou do meu mel com imensa gulodice.
Respirei fundo e fomos para cama e retribui com um 69 onde recebi um belo de um cacete rígido na boca (uns 18 cm grossa e duro feito porrete)... Boquetei seu cacete com muita desenvoltura logo recebi esporradas de leite pelos meus seios e rosto.
 Juntos fomos para debaixo do chuveiro ele me ensaboou, sugou meus seios e bateu uma siririca até eu gozar na sua mão...
Eu estava deixando aquele macho doido com cada gozo meu.
Val logo me posicionou de quatro (4) e com o vai-e-vem estocava seu cacete com força e vigor;
Prazeroso e intenso, eu gemia alto, mas logo meus gemidos foram dando espaço a uma sensação gostosa. O orgasmo...
Enquanto ele me dava pequenos tapas na minha bunda eu me masturbava e juntos gozamos... eu pela 3ª vez e ele  pela 2º ,mas o suficiente para  encher  a camisinha.
Val tirou a camisinha aproveitei e dei um banho de língua,
Logo o cacete começou a reagir.
Mas estava ficando tarde tomamos um banho e fomos em direção à pousada.
Como a cidade era calmo Val disse que não me preocupasse com meu carro que havia deixado na praça.
Entrei na pousada fui direto pra meu quarto, cansada, mas satisfeita, pois tinha acabado de encontrar um amante.
Como vou ficar na cidade por mais dois dias terei certeza que ainda vamos complementar nossa farra.
Depois eu conto...

Docecomomel(hgata)
“Não confundam o autor com sua obra”
Vejam meus blogs
http://sensacoescomeemocoes.blogspot.com.br/
Imagem do google

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Trepando com minha cunhada gostosa


.




Olá
Vou relatar a minha primeira vez que transei com minha cunhada.Com maior sacanagem trepamos pela primeira vez no sofá de minha casa,foi meu presente de aniversário.
Eu sou casado minha esposa é muito simpática, amiga atenciosa e carinhosa, mas todo homem quer que as qualidades se estendam até a cama.
Pois bem minha esposa não é muito fogosa;
Eu sou negro bem dotado e muito fogoso sinto desejo de foder todos os dias,
Uma coisa que minha esposa não concorda,
Já falamos sobre isto, mas ela continua irredutível.
Por isto sou obrigado a procurar fora de casa o que não encontro em minha esposa.
Eu tenho uma cunhada que frequenta minha casa, pois moramos próximos, ela sabe dos problemas que tenho com minha esposa relacionada a nosso desempenho na cama, minha esposa só papai e mamãe já este bom... Já conversamos e ela não consegue se desinibir.
Se entregar de corpo e alma aos prazeres que a vida nos oferece.
Minha cunhada é uma delicia de mulher, têm 28 anos, uma cara de safada está solteira atualmente Mas bem sei que ela tem seus ficantes.
Pois bem assim começa minha aventura.
Então faz uns três meses eu sai do trabalho e fui comemorar meu aniversario com um grupo de amigos.
Era uma sexta feira.
Quando cheguei a casa minha esposa havia saído com a sua mãe, tinham ido ao supermercado, pois no dia seguinte teria um almoço em minha casa, pois convidei alguns amigos meus para comemorar meu aniversario.
Assim que entrei em casa fui tomar banho e quando saio do banheiro enrolado na toalha encontro com minha cunhada na sala.
Ai perguntou a ela qual seria meu presente de aniversario.
-Ela respondeu que só tinha ela mesma se eu queria.
Caramba
Por esta eu não esperava e rindo respondi quero sim, mas nem precisa vir enrolada de papel de presente eu quero peladinha na minha cama.
Ela olhou para min e saiu da sala rebolando.
Meu cacete ficou duro na hora, já pensei em pegar minha cunhada e ter relações sexuais até dizer chega.
Fui ate a geladeira peguei uma cerveja e enrolado na toalha mesmo fui para sala bebericar minha cerveja.
Meu cacete estava duro fiquei ali sentado tentando disfarçar a excitação que estava sentindo.
Afinal estava em minha casa.
Depois de alguns minutos minha cunhada volta vestida com um short de lycra que desenhava a xoxota toda.
Fiquei no maior tesão olhando para ela que se aproximou e foi dizendo.
Vou te dá teu presente sim meu cunhadinho.
Veio em minha direção e foi falando vou te dá o que minha irmã não te dá.
Eu sentado no sofá com cerveja na mão enrolado na toalha com cacete armado que parecia um empanado de circo.
Minha cunhada abaixou na minha frente e começou a me punhetar... Meu cacete já estava duro que parecia um porrete com cabeçorra vermelha.
Minha cunhada putinha e safada se chama Alice.
Ajoelhada a meus pés começou a lamber cabeça do meu cacete,
Logo estava com meu porrete todo dentro da boca gulosa dela estava uma delicia.
Alice me chupava e falava tanta sacanagem que nem as vadias do bordel que frequento na avenida sete falam tanta putaria assim.
A sacanagem é o tempero que dá sabor a uma boa foda:
Eu já estava louco para gozar, mas me controlei o máximo.
Ali no sofá mesmo minha cunhada veio por cima e começamos a transar.
Sentou no meu cacete e rebolava sem parar, ela cavalgava como uma eximia amazonas. Eu socava meu porrete em uma dança sincronizada.
A safada da minha cunhada ainda dizia... Me fode porra que sei que faz tempo que você me deseja, soca este porrete na xoxota de sua cunhadinha...Ai mete gostoso meu negão safado.
Nossa nunca vi rebolar tanto assim com um cacete encravado na xoxota.
Alice rebolava demais,
Eu já estava quase gozando quando ela acelerou e ficou quicando com meu cacete atochado na xoxota que começou a expeli um melzinho.
Caramba parecia possuída gemia e gritava me puxando de encontro a sua boca.
Nossas línguas travavam um duelo de serpentes.
Ai logo Alice foi se recompondo e ficou em meus braços a mercê de meus desejos.
Gozou tanto que sentia seus fluidos escorrer pelo meu cacete.
Ai foi minha vez... Abuse e Use foi o que Alice me falou.
Eu  claro não sou de abusar, mas de usar sim e muito.
O fiz ficar deitada no sofá e ofertei meu cacete para ela limpar.
Afinal estava lambuzado de seus fluidos.
Alice lambia e chupava meu cacete como se fosse um pirulito.
Segurando-o apalpando minhas bolas.
Eu fiquei louco ai coloquei sentada no sofá e comecei a estocar meu cacete garganta adentro.
Ela me chupava e olhava com cara de safada em meus olhos.
Quando ela me disse goza nos meus seios... Meu cunhadinho goza!
Eu falei vou gozar na tua garganta safada!
Não isto não!
Ah é... E porque você não quer leitinho de seu cunhadinho?
-Eu não gosto!
Ah é?
Eu segurei-a pelos seus cabelos, dei uma tapa na cara, sem força é claro só pra ela saber quem manda.
Ela foi gemendo e dizendo bate na cunhadinha safada bate meu tesão, quanto mais você bate mais eu sinto prazer.
Ai comecei a socar meu cacete em sua boca, ela lambia e babava.
Já ciente que ia encher a goela de leite já, em minutos senti meu cacete se avolumar e começar esporrar.
Segurei sua cabeça logo depois do segundo jato de leite tirei meu cacete e direcionei para sua cara.
Foram poucos jatos, mas suficiente para deixar ela toda lambuzada.
Ai satisfeito começou uma nova sessão de carinhos.
Cai de boca na xoxota dela cheinha e cheirosa, toda lisinha.
Cacete um sessenta e nove improvisado depois de uma gozada gostosa, sem se preocupar com nada.
Nós dois no sofá da minha sala.
A adrenalina a mil.
Deixava-me maluco de excitação meu cacete nem parecia que tinha acabado de gozar.
Eu mordiscava e sugava seu grelinho, Alice rebolava na minha cara deixando todo lambuzado de seu mel.
Alice puxava minha cabeça de encontro as suas pernas, eu brincava com um dedinho em seu cuzinho ela gemia alto.
Ai inverteu comecei a brincar com a língua em seu cuzinho e com as pontas dos dedos batia uma siririca, seu corpo entrou em convulsão e começou a tremer... Foi quando Alice explodiu em um intenso orgasmo e eu saboreio cada gota de seu mel.
Esperei se acalmar logo Alice ficou de quatro apoiada no braço do sofá implorava e pedia que a comesse.
-Ai cunhadinho safado quero gozar no seu cacete.
-Minha irmã que é feliz e não sabe como é safado o garanhão que tem em casa.
-Ai delicia fode cunhadinho arromba com tua cunhadinha safada anda
Assim ela ficou de quatro (4) encostei cacete na porta da xoxota e dando tapas na bunda comecei uma sucessão de estocadas firmes. Alice gemia e pedia que metesse mais.
Já tinha alguns minutos assim, metia e tirava o cacete deixando só com a cabeça dentro depois empurrava com força e vigor deixando mais gostoso a sensação da penetração.
Depois de um bom tempo assim Alice falou vou fazer uma coisa com você que tenho certeza que você nunca fez com minha irmã.
Alice ficou de costas para mim e segurando na base do meu cacete foi se abaixando encostando meu cacete na porta de seu cuzinho.
Ela ia sentando aos poucos, empurrava e parava.
Eu só segurando sua bunda e olhando meu cacete adentrando dilacerando suas pregas.
Quando entrou meu cacete todo ai que Alice ficou mais alucinada.
Ela começou cavalgar com meu cacete todo atochado em seu rabo.
-E dizia fode safado come gostoso o rabo de sua cunhada, arromba com sua cunhada que se mata de bater siririca ouvindo você brigando com sua mulher pra foder... Então...  Fode gostoso tua cunhada safada.
-Sua cunhada puta, fode, goza gostoso, dentro do rabo da cunhadinha goza.
Eu louco alucinado pequei botei ela de quatro e comecei a socar fundo sempre dando tapas em sua bunda a chamando de potranca, safada gostosa.
Depois de alguns minutos senti seu corpo tremer e novamente um novo orgasmo.
Este eu senti nas pontas dos dedos, que saboreei como a um manjar dos deuses.
Sem contar no prazer que senti suas pregas latejarem mordiscando meu cacete.
Gozei litros com minha cunhadinha.
Fomos tomar banho para disfarçar e quando minha esposa me chegou já estava dormindo saciado com os prazeres que senti com minha cunhada.
E esta foi uma das vezes que transamos, houve muitas vezes até tivemos a ousadia de transar na garagem enquanto minha esposa dormia.
Meu casamento renovou, pois o que minha esposa me negava minha cunhada me fartava.
Coisas da vida não e?



Docecomomel(hgata)
Vejam meus blogs.
"Não confundam o autor com sua obra'
Imagem do google

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Safado e Bem dotado





Meu nome é Iara, sou de Salvador, tenho 23 anos, solteira sou morena afro descendente.
Mas meus cabelos são encaracolados.
Minha família mora no interior da Bahia eu divido o apartamento com uma colega de trabalho.
Eu trabalho em um hospital na parte administrativa.
Meu horário de trabalho é das 12 ás 20hs
Na ultima sexta feira eu estava descansando um pouco lendo um livro, pois logo teria que me arrumar para ir trabalhar quando vi que a água mineral havia terminado.
Como só voltaria bem tarde da noite,
Providenciei imediatamente ligar para o disk-água.
 Solicitando uma garrafa.
Como conheço a dona do estabelecimento avisei que era com urgência, pois estava de saída.
Confirmei o endereço e fiquei no aguardo.
 Era um dia bem quente, eu estava só de short com um top...
Quando a campainha toca.
Era a água que havia chegado, fui abrir a porta e me deparo com um negro alto e com um corpo bem definido que já dava pra notar o tamanho da ‘mala’ que tinha, pois desenhava muito nas roupas que ele usava.
Ele estava segurando o garrafão de água nas costas e a forma que ele segurava fazia com o que os músculos do seu braço ficassem bem alterados.
Ver aquele rapaz ali na minha frente me deu um tesão tão grande, que tive que me conter pra não ficar excitada.
Mas não sabia por quanto tempo iria suportar!
 Era impossível ver uma beldade àquela hora da manhã em sua casa e não sentir um friozinho na barriga.
Ainda mais que depois do termino do meu namoro com Márcio eu estava sozinha e na seca. Aff
 Abri a porta, ele me deu bom dia, pediu licença e entrou.
Eu mostrei pra ele onde deveria colocar a água.
Eu perguntei se não seria muito incomodo se colocasse no lugar pra mim, mas ele apenas riu de uma forma muito agradável e fez a troca.
 Eu fiquei observando enquanto ele fazia seu trabalho, isto me causou um intenso sentimento de prazer.
Pequei uma cédula e lhe dei dizendo que era para tomar um refrigerante.
Ele agradeceu não querendo aceitar, mas eu insisti...
Enfim ele aceitou.
 Depois me chamando de patroa me disse que nem sempre as pessoas costumam tratar ele bem, ele disse também que muita gente não olha nem pra cara dele, supondo o fato dele ser negro.
Eu entendo como é o preconceito, pois algumas vezes me sinto diferenciada em meu, mas em troca retribuo com esmero e qualidade no que faço.
Ele riu da forma que falei.
 Mas ai eu falei que ele tem que demonstrar a todos que suas qualidades sobrepõem ao preconceito.
 Eu tinha que tentar persuadir a ficar mais um pouco assim comecei indagar se tinha namorada ou era casado ele respondeu que ainda é jovem para assumir compromisso, mas que quando encontrasse a mulher de seus sonhos não hesitaria em casar.
Eu fiquei hipnotizada olhando para aquele rapaz.
 Sentia uma enorme atração.
Depois de um tempo Márcio já estava de saída eu assim do nada perguntei.
Você gostaria de sair amanha a noite para tomar um chope? Ou quem sabe ir dançar!
Ele me olhou estranho e disse que não!
Ah que pena, mas por quê?
-Bem para sair preciso de dinheiro e só receberei meu salario na próxima quarta-feira!
Mas eu não desisti, e falei que o estava convidando que pagaria depois ele me estornaria se assim o quisesse.
-Ah sendo assim aceito, adoro dançar.
Márcio ficou com fisionomia de intensa alegria.
 Aproximou-se e deu um beijo na minha face e saiu se despedindo.
-Amanha as 20 as está bom?
Claro está ótimo.
A proposito vai de moto está bem?
-Eu nem me toquei, mas ele já decidiu que iriamos de moto assim estava confirmado.
Márcio saiu e eu voltei para meus afazeres, mas com sorriso nos lábios.
_Pensei estou maluca mesmo convidar um estranho para sair!
Fui trabalhar e tive um dia muito corrido como são todas as sexta feiras.
Quando voltava para casa já cansada desejando um bom banho e uma cama confortável, passo em frente ao mercado que Márcio trabalha.
Instintivamente parei com a desculpa de comprar alguma coisa, mas que na verdade eu não estava querendo nada.
Queria vê-lo isto sim.
Fui até o caixa e com embalagens de biscoito e assim que passei e fiz o pagamento o avistei, meu coração parecia que ia sair pela boca de euforia.
Eu fiquei embasbacada parada sem reação quando Márcio falou... Iara quer que eu leve suas compras já estamos fechando e estarei livre!
Ah sim... Pode sim Márcio assim podemos conversar um pouco.
Entrei no carro e sai em disparada parecendo que havia furtado algo.
Mas na verdade eu queria era tomar um belo banho para esperar meu entregador de encomendas limpa e cheirosa.
Assim que me perfumei a campainha tocou, abri e pude ver o rosto mais bonito que meus olhos ansiavam ver naquele momento.
Márcio entrou lhe ofereci uma taça de vinho, coisa que aceitou de imediato e disse não bebo, mas isto me dará coragem!
Coragem! Para que?
Márcio com total desenvoltura apenas me abraçou e começou a beijar-me.
Coragem Iara para tentar lhe agradar, como homem e macho.
Ele me beijava e apertava-me em seus braços. Sentia que a cada minuto ficava mais excitado.
Aí não teve jeito, fiquei muito excitada.
Marcio percebendo meu embaraço um e perguntou se eu não tinha gostado dele. Respondi que sim, mas fui pega de surpresa, mas que gostei dele sim. Marcio me abraçou rindo falou que sempre ficava me observando quando eu passava, mas não tinha coragem de chegar até minha pessoa. Ficamos namorando sentia a rigidez de seu cacete, mas tentava não ser muito afoita afinal é primeira vez que nos encontrávamos. Logo ele falou que iria para casa e voltaria para sairmos.
Em menos de 45 minutos ele chega todo cheiroso e arrumado.
Saí de moto eu agarrei na sua cintura e fomos pela cidade até um pequeno barzinho onde tinha musica a vivo.
Casais enamorados rodopiavam pela pequena e improvisada pista de dança. Reservamos uma mesa entre uma musica e outra conversamos bastante o suficiente para ficar mais desejosa e enamorada.
Depois de alguns drinques as coisas foram se esquentando. Marcio bebeu mais moderado, pois iria pilotar a moto, mas eu me excedi.
Fiquei alegre e sorridente. Quando pagamos a conta e com cara de menino safado me indagou... Qual nosso destino? Sorri e falei. Motel!
Motel! Tem certeza? Claro.
Assim fomos Marcia pilotava a moto e eu abraçada a ele, teve um momento que ele pegou a minha mão de sua cintura e colocou sobre seu cacete. Sentia rígido e latejando.
Aí pensei é hoje que tiro meu atraso.
Entramos em um motel simples, mas muito limpo. Entramos no quarto e Marcio me abraçava e beijava e fomos aos poucos tirando nossas roupas. Quando Marcio me perguntou se era isso mesmo o que eu queria e se eu iria aguentar. Eu apenas ri dizendo quem estava na chuva era para se molhar.
Mas minha vontade mesmo era de me abaixar a seus pés rasgar aquela cueca e sentir aquele mastro em toda dimensão.
 Logo ambos sem roupa pude ver o tamanho de seu membro, ali pertinho de mim. Parecia uma tona negra, ou uma tocha acesa com cabeçorra vermelha.
Eu comecei a apalpar sentia que ele estava gostando, mas o tesão era muito assim eu preferi não falar nada e me ajoelhar.
Ele pôs aquele cacete enorme e duro junto a meu rosto e eu abri a boca e engoli o máximo que pude.
 Ele forçava a minha cabeça contra sua pélvis. Uma delicia senti-lo.
O tesão se apossava do meu corpo, Marcio segurava meu rosto batia com seu cacete pela minha face.
Parecíamos dois adolescentes com sede de sexo.
Assim íamos entre gemidos e sussurros aos prazeres de nosso corpo quando Marcio falou entre gemidos que já estava gozando senti minha xoxota se encharcar muito mais.
Estava ali com um jovem em plena sexta- feira provando de momentos de puro êxtase.
Continuava lambendo e sugando de sua seiva quando em um momento rápido Márcio segura minha cabeça e começa explodir em um gozo.
Jatos espessos de seu esperma caem sobre meu rosto e seios.
Marcio me abraça e me beija me segura em seu colo e colocando-me na cama começa a me chupar.
Que língua macia e sedosa, parecia um animal faminto lambendo sua presa.
Logo obtive meu primeiro orgasmo.
Parecia que meu corpo iria voar para o espaço de tanta leveza que senti.
Marcio caprichava mais nas lambidas e chupadas saboreando cada gota de meu mel.
Ficamos abraçados por alguns minutos e fomos tomar banho
Marcia me esfregava meu corpo e com toques de dedos me bolinava.
Não parou um segundo de me atiçar enquanto tomávamos banho.
Resultado: Cacete duro com tamanha rigidez que fazia um arco apontando para seu umbigo.
Fomos para cama foi quando lhe pedi que se deitasse na cama.
 Ele se deitou com aquele cacete pra cima, eu peguei uma camisinha, pus a camisinha nele, ele adorou a forma como encapei seu cacete com a boca deixei ele protegido, mas extasiado de prazer.
 Subi na cama e comecei uma dança que ia aos poucos aproximando minha xoxota de seu cacete, ai ele ficou mais louco de excitação quando fui sentando devagar naquela vara, que foi entrando rápido, pois ele tinha sede de xoxota.
Eu sentada com cacete todo enfiado ainda rebolando deixava-o mais fogoso.
Ai ele começou a mexer e o cacete entrava todo deixando só as bolas de fora.
Ele segurava na minha cintura forte e me puxava pra baixo tentando entrar todo em mim, mas cacete demais da conta.
Quando Marcio me pediu pra eu ficar de quatro, eu sabia que assim ele teria maior controle sobre mim.
 Sem forçar eu me pus a ficar de quatro.
Ai que Marcio começou dá estocado forte e viril.
Eu gemia, ele batia na minha bunda, parava tirava o cacete todo deixando só cabeça dentro e com força metia novamente.
Eram uma loucura nossos gemidos e pequenos gritos de prazer.
 Era muito bom sentir e ver aquele macho tesudo atrás de mim me fodendo tão gostoso.
Ele parou de me segurar e com estocadas mais forte ia cada vez mais me elevando ao êxtase total;
 Teve um momento que Marcio suspendeu meus quadris e prendendo minhas pernas á sua cintura começou a meter com estocadas compassadas e em minutos explodimos em um gozo.
 Foi muito boa aquela sensação de ter satisfeito um homem daquele!
 Jovem bonito saudável e dono de um cacete para fazer inveja a muito homem que se diz garanhão.
Depois tomamos um banho juntos, onde fizemos uma variedade de posições no boxe.
Foi uma noite inesquecível.
Vocês podem perguntar... Oh e não teve anal?
Claro mas não posso relatar, pois este fato aconteceu recente e não posso ficar sentada muito tempo.
Sorry.

Docecomomel. (hgata)
Sigam meus blogs
04/12/2012

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Safadeza Com Um bissexual Enrustido









Arrombei com meu amiguinho e foi bom demais.
 Quando conheci aquele moço bem apessoado senti um grande desejo, meu cacete ficou em estado de ereção. Carlos era cunhado de minha irmã e morava na casa dela.
 Sempre tive tesão por machos.
 Adoro ver meu cacete atochado em um rabo e o cabra embaixo gemendo.
 Aumenta meu tesão que fica a mil.
 Atocho mesmo com vontade.
 A maioria adora uma boa pegada e eu não sou de negar fogo de forma alguma se quer cacete no rabo eu dou... Se quer leite na garganta eu dou!
 Não os forço que pedem eu apenas os deixo satisfeitos e é bom demais.
 O prazer que sinto quando gozo em um rabo é maior que em uma xoxota. Sentir meu cacete sendo mordiscado pelas pregas é uma coisa de louco.
 Eles atiçam você.
 Sou Nilton tenho 23 anos e sou um bem dotado não em tamanho, mas meu cacete é bem grosso, tem uma cabeçorra que parece um cogumelo. Acontece fazer alguns programas. Afinal aliar prazer dos outros a lucros faz parte da minha vida.
 Adoro fuder.
 Pode ser homem ou mulher quero mesmo é gozar muito, fico alucinado quando estou metendo cacete adentro e ouço os gemidos. Não sou de muita conversa prefiro ação.
 Quando eu conheci Carlos foi assim.
 Carinha de inocente, mas muito safado.
 Carlos era um rapaz de 19 anos, alto e forte ele faz academia, tinha olhos castanhos, cabelos compridos amarrados.
 Sua roupa preta destacava-se das demais pessoas.
 Um cara bem bonito pode se dizer assim, acredito que as moças da cidade andam louquinhas por ele.
-Ah e ainda participa de uma banda, toca guitarra.
 Mas ele gosta mesmo é de dá o cuzinho, notei logo como olhava na direção do meu cacete.
  Afinal não sou bobo.
 Conheço cara de pidão de cacete na hora que vejo.
-Bem fomos pra sua casa e minha irmã que era cunhada do Carlos.
  Estava a nossa espera ,depois de beijos e abraços e de contar as novidades da família, minha mana me alojou no mesmo quarto que Carlos.
 Minha mana foi logo dizendo, vou deixar vocês no mesmo quarto afinal vocês homens devem ter muita coisa para conversar.
 Na verdade fiquei meio incomodado e pedi desculpas a Carlos por está invadindo seu espaço.
- Esquenta não cara, só espero que não se incomode que fico às vezes até tarde no computador.
-Ah eu também fico e trouxe até meu notebook.
- Legal cara adoro ver vídeos e fico até tarde vendo muitos vídeos irados.
-No dia seguinte sai para ver a cidade como estava mudada, mas à noite tive uma surpresa: Eu estava no quarto e dormia, só que mesmo cansado tenho sono muito leve.
 Carlos estava assistindo seus vídeos, eu vi que estava super. Excitado, se mexia muito na cadeira, mas como já estava pronto para dormi estava só de cueca.
 Quando Carlos abaixa o short deixando à mostra seu cacete duro.
 Caramba o rapaz colocou seu membro pra fora e começou a alisar o cacete, vi que era um cacete com tamanho mediano, lisinho sem pelos e com cabeça normal.
 Porque todos sabem que alguns homens têm uma chapeleta que parece mais um cogumelo.
 Eu mesmo sou assim.
 Carlos na solidão da noite masturbava-se.
 Sussurrava palavras obscenas e punhetava, com muita vontade, gemia baixinho, mas me pareceu que precisava de algo mais para estimular e gozar...
 Entendi que minha presença o inibia, mesmo dormindo ou fingindo-se dormir. Rsrsrsr
 Assim quando Carlos levantou-se deixando a cueca cair até o chão foi até o guarda roupa e pegando algo de lá de dentro indo em direção ao banheiro, deixou-me curioso.
 Fui devagarzinho observar silenciosamente o que meu colega estava fazendo.
 Minha surpresa só não foi maior que o consolo que estava metendo no rabo!
 Sim... Isto mesmo ele estava em uma posição que parecia um contorcionista com uma mão alisava o cacete que estava teso de duro parecendo um arco apontando para o seu umbigo.
  E com a outra mão metia o vibrador, gemendo muito como se tivesse sendo penetrado por algum macho.
-Caramba esta cena eu não esperava, pior foi à surpresa de ouvi-lo implorando no faz de conta de seu desejo que eu o comesse.
-Ah Elton mete gostoso em seu macho... Vai arromba com meu rabo... Assim delicia...
 Goza fundo... Goza na minha boca goza! Ah que gostoso.
-Vai gostoso me arromba, acaba com as pregas de teu macho...
-Ah Nilton que delicia assim mete gostoso que vou gozar com teu cacete explodindo no meu rabo...
-Ah que delicia...
-Aí já sabe só ouvi gemidos e meu amigo consegue finalmente gozar.
-Sai rapidamente da porta do banheiro, mas a cena mexeu comigo estava super. Excitado, afinal eu adoro comer um rabo.
 Fiquei cheio de vontade, Aí pensei, mas amanha verei o que fazer.
 Bem é melhor dormir que o dia de amanha promete.
 Virei e fiquei pensando bobices até o cacete abaixar e conseguir pegar no sono, mas de uma coisa tive certeza iria comer meu novo amigo no outro dia mesmo.
 Logo no café da manhã fui diretamente falando e aí cara onde tem umas gatas para você me apresentar, para onde vamos hoje-.
-”Podemos ir numa cachoeira, mas as gatas só de noite, para ir para cachoeira só de ‘bike”, vou pedir a meu colega uma bicicleta emprestada para você.
-Está ótimo será bom curtir ao ar livre uma manhã de sol maravilhoso.
 Assim que tomamos nosso café fomos à casa do amigo de Carlos que emprestou a bicicleta.
 Pedalamos uns 30 minutos e chegamos à cachoeira
 Carlos nem se preocupou em ficar de sunga, pelado mesmo se jogou na água.
 De dentro da água me gritava, venha Nilton aqui só vem gente final de semana pode tomar banho pelado mesmo.
 Nem me importei e cai na água fria sem roupas também, dei longas braçadas percorrendo todo pequeno lago, que se formava abaixo da cachoeira.
 Depois de um bom tempo conversando com Carlos sem querer me esbarrei em sua bunda, senti um leve arrepio de excitação e meu cacete ficou rígido.
 Procurei disfarçar saindo de perto de Carlos, mas parecia que meu cacete não queria abaixar.
 Carlos notou minha inquietação, indagou o que aconteceu cara te fiz alguma coisa?
 Sem conseguir que meu cacete abaixasse, pois estava cheio de excitação, queria mesmo enrabar meu amigo desde o momento que o vi socando vibrador em seu rabo. Não omitir e falei com sinceridade.
- Bem Carlos é o seguinte eu vi você ontem a noite e... Desde então não paro de pensar em te comer, veja como estou!
-Dizendo isto segurando meu cacete que estava super-rápido parecendo uma barra de ferro. Carlos meio sem graça e envergonhado abaixou a cabeça e olhando em meu cacete falou.
-Bem cara já que você viu não posso desmentir nada, eu gosto de mulher adoro comer uma xoxotinha, mas adoro receber um cacete sinto múltiplos prazeres com um cacete atochado no meu rabo.
 Não vou negar e não posso negar isto a você.
 Mas... Estou sentindo tesão por você também.
 E sem mais palavras abaixou em direção a meu cacete e começou a chupar.
 Ah Carlos que delicia, mas aqui não é perigoso alguém nós ver.
 Que nada cara hoje é dia de semana as pessoas só veem para cá em feriados ou finais de semana.
 Vem cá ali tem um lugar muito bom.
 Dizendo isto me segurou pela mão levando-me até uma lareira e uma arvore frondosa.
 Carlos sem cerimônia começou apalpar meu cacete que já estava duro como uma barra de ferro. Depois do chupada que ele deu aumentou mais ainda.
 Então se ajoelhou a meus pés e começou um boquete, até parecia um bezerro desmamado, lambia cabeça do meu cacete indo até os culhões que babava todo cacete gemendo com muita excitação.
  Segurava a cabeçorra com os lábios e segurando com as mãos ficava sugando a babinha com uma vontade louca.
 Eu estava a ponto de explodir meu gozo na sua boca gulosa, mas controlei-me, queria mesmo era atochar o cacete em seu rabo.
 Carlos foi ficando de quatro de mansinho se insinuando, dizendo que queria ser comido como uma putinha.
 Coloquei Carlos na minha frente e alisando sua bunda dava tapinhas de leve, molhei de saliva meu cacete e cuspi em seu anel.
 Encostava a cabeçorra do cacete bem na entrada do furinho dele e forçava levemente ouvindo seus gemidos de prazer.
 Carlos pedia gemendo e rebolando parecendo uma potranca.
  Bota amor...
 Arromba com tua putinha... Vai...
 Vai amor mete essa cabeçorra na tua putinha...
 Vai me faça sua putinha...
 Enche de porra meu rabo... Amor.
 Eu sentia tanto tesão que até deu vontade de socar todo cacete de uma vez só naquele rabo, mas o prazer seria rápido, queria aproveitar cada minuto comendo meu amiguinho safado.
 Depois que meu cacete já todo babado com boquete que Carlos tinha feito.
 Eu encosto a cabeça do cacete de leve e com um suspiro lhe pergunto.
 Você quer de leve ou com força meu puto safado?
 Já sabia quando a excitação é intensa não se importa que sintam dor, mas o prazer maior não é assim. Quando ele me pediu apenas dei um tapinha na bunda e lhe pedi calma.
-Me arromba de vez meu macho me faça sua putinha!
-Então bem devagar fui abrindo as pregas do rabinho daquele safado, e a cada pedaço que entrava, Carlos gemia alucinadamente rebolando no meu cacete.
 Até que a cabeçorra passou assim fui lentamente.
 Senti sua respiração ofegante.
 Então empurrei com força até o talo Carlos gemia e masturbava-se.
 Retirei o cacete deixando só a cabeça dentro e forcei novamente até quando chegou à parte em que não entrava mais.
 Estavam só os culhões de fora.
 Meu cacete estava atochado no rabo do meu amiguinho que gemia parecendo uma gata no cio.
 Pedindo que metesse com vontade que adorava receber leite na bunda.
 Foi ai que parei de penetrar, e comecei os movimentos de vaie vem, então aos poucos fui aumentando a velocidade, Carlos gemia muito me incitava a meter cada vez mais forte.
 Eu segurava sua cintura puxando-o de encontro a mim.
 Estávamos cada a hora, comecei a notar que Carlos começou a gozar seu cuzinho começou a mastigar meu cacete, apertando comprimindo.
 Então eu não aguentei e comecei a gozar dentro dele.
 Seus urros misturavam a meus gemidos.
 Ficamos atracados como dois animais no cio.
 Depois de alguns minutos nos banhamos e voltamos à segunda parte Carlos começou a chupar meu cacete que ficou duraço e me pediu que o deixasse cavalgar.
 Reclinei-me na arvore e Carlos veio sentar no meu cajado
 Experiente o rapaz sentou que parecia uma putona rebolando no meu cacete.
 Levantava o corpo e descia aos poucos até senti que estava todo dentro assim ficou alguns minutos quicando com meu cacete atochado no rabo.
 Aí não deu outra em poucos minutos senti meu cacete pulsando.
 O tesão foi maior e explodi em um gozo.
 A intensidade de meu gozo foi imenso já sentia minha porra escorrendo por suas pernas.
 Carlos tirou segurou no meu cacete e passou a cueca, ligeiro enxugando. Logo ele começou a limpar meu cacete todo com a boca.
-Aí já viu a resposta foi de imediata nem parecia que eu tinha acabado de gozar.
 Em poucos minutos enchi garganta dele de leite.
 Que se deliciava dizendo que era delicioso o leitinho do amiguinho. Bebeu todo meu leitinho e deixando meu cacete limpo. Guloso e safado.
 Relaxamos um pouco e banhados e satisfeitos voltamos para cidade. Carlos pediu sigilo, pois tinha uma namorada e não queria magoa-la. Claro que concordei afinal quem come e guarda come muitas vezes.
 Mas apenas o fiz prometer que... Não seria esta única vez.
 Carlos com um sorriso afirmou claro você com um cacete gostosão deste não vou dispensar e hoje foi à primeira vez de muitas vezes.
 Fiquei quinze dias de férias na casa de minha irmã e foram quinze dias de muita foda.
 Teve um dia bem cedinho que o peguei de quatro na cama segurando em seus cabelos longos como se fosse uma crina, meti tão fundo que Carlos gemia como um animal no cio.
 Quando gozei e tirei cacete a camisinha saiu suja de sangue.
 Foi uma foda animalesca.
 Muito prazerosa.
 Depois no dia seguinte Carlos convidou um passivinho amigo seu para participar de uma festinha.
 Até que foi bom demais.
 E é claro adorei enrabar ele enquanto ele chupava o Carlos e bebia todo seu leitinho.
 Logo voltarei lá e já vou preparado para comer muito o rabo do meu amiguinho. Que dá uma de machão, mas gosta mesmo é de ser putinha de macho bem dotado como eu!




Ps.Este conto é uma continuação  de um outro conto postado aqui."Transando gostoso na Cachoeira"



Docecomomel(hgata)

vejam meus blogs
 http://sensacoescomemocoes.blogspot.com.br/





terça-feira, 13 de novembro de 2012

Meu amante ...Bom de cama!







Olá.
Eu sou e Giovana, sou casada tenho 37 anos, meu marido é um pouco mais velho que eu a diferença de idade até a pouco tempo não atrapalhava nossa vida intima.
Mas de uns tempos para cá as coisas complicaram.
Meu marido trabalha arduamente, ele tem uma fazenda e adora criar cavalos.
Até colocou uma baia em um sitio bem próximo a nossa cidade.
Ainda para completar o trabalho exaustivo sempre em alguns dias da semana fica com amigos na baia e bebem muita cerveja e uísque.
Chega ao ponto nem de voltar para casa.
Eu acabo ficando sozinha e carente.
Conversando com uma amiga e falando sobre intimidade, ela me confidenciou que acontece mesma coisa com ela e esposo dela.
Mas para complementar sempre está de caso novo e de preferencia mais jovem.
Eu disse que não teria coragem.
-Ah Giovana deixa de serem bobas estes jovens na flor da idade doidos para serem seduzidos, que mal faz sair com algum, sem compromisso ir a um motel transar com muita vontade sentir muito prazer depois paga conta dá um presentinho ao garoto e sai com corpo renovado.
-Além do mais que todo jovem gosta de uma coroa.
-E nem você nem eu somos velhas para ficar sem sexo e podermos aliviar nossas tensões.
Fiquei pensando e resolvi no primeiro momento que encontrasse um jovem e sentisse atração não titubearia iria sim, sair e me divertir.
Assim aconteceu no ultimo feriadão fui ficar no sitio com meu marido.
Ele iria fazer um leilão e um churrasco. Além que eu poderia aproveitar o sol e tomar banho de piscina.
Chegamos cedo como a casa tinha caseiro eu não me preocupei com nada além que meu marido tinha acertado um Buffet.
Estava na piscina quando ao longe observo um rapaz muito simpático dando banho em um cavalo. Senti uma forte atração de ver aquele homem jovem e musculoso
Com um jeito rustico cheirando a suor.
Pensei... Encontrei quem estava procurando.
Vesti uma saída e fui de encontro a aquele rapaz.
-olá Tudo bem?
-Quem é você? Sou Marcus o tratador de cavalos e filho do caseiro.
-Ah é.
-Sim senhora meu pai cuida do sitio e eu cuido dos animais.
-Interessante!
Diz-me uma coisa quando meu marido dorme aqui tem alguma festinha por aqui.
-olha senhora eu não posso dizer nada, mas sempre vejo mulheres jovens circulando por aqui, mas elas já vêm acompanhadas, algumas ficam até tarde só ouço risadas altas e musica.
-Ah é?
-Sim senhora, mas seu marido quando fica a aqui se recolhe cedo, mas seus amigos fazem a maior bagunça.
-E aqui para nós acho que são mulheres de programa, pois se vestem com pouca roupa, ainda a semana passada teve uma que tomou banho pelada na piscina.
-Bem claro que gostei de ver, mas quando ela saiu da água nuazinha só a vi entrar no quarto ali da piscina com três (3) homens a senhora imagine o resto.
-Ah é?
-Meu marido nunca me disse nada sobre estas festinhas.
-Mas é que as pessoas que guardam os animais aqui chegam acompanhadas e ele não pode dizer nada.
-Entendo... Fixei bem meu olhar em Marcus e assim de supetão o convidei a vir tomar uma cerveja comigo a noite.
-Ele me olhou fixamente e perguntou e seu marido?
-Ah depois que ele toma duas doses de uísque é cama até amanha de manhã... Ai fazemos nossa festinha!
-Hum entendo!
-Claro que ele entendeu que a ultima coisa que eu queria naquela noite era cerveja, mas muito sexo regado a leite direto da fonte.
Estarei na baia às 23 horas dona Giovana e com certeza gostará.
Durante jantar simulei que bebia e meu marido feliz com minha companhia entornou uísque para dentro.
Assim que jantou tomou um cafezinho e foi direto para nosso quarto eu toda ansiosa, falei pode ir meu amor que assim que fizer umas ligações já vou para nosso quarto.
Como minha mãe dizia quando uma mulher quer convence até o Demo*
Demorei alguns minutos e fui para o quarto e como era esperado meu marido estava roncando. Tomei um banho vesti uma camisola sem nada por baixo e colocando um robe fui em direção à baia sorrateiramente. De longe senti cheiro de tabaco.
Era Marcus que encostado em uns fardos de capim fumava tranquilamente um cachimbo.
Achei-o lindo com seus cabelos úmidos e uma camiseta branca que insinuava seu porte de trabalhador braçal. Assim que ele me viu veio ao meu encontro e começamos a nos beijar. Ele bem sabia o que eu queria mesmo.
O tempo era pouco e sem muitos rodeios fomos até um canto da cocheira e Marcus colocando uma manta sobre o capim seco e fofo.
Deitamos-nos...
Marcus ágil foi tirando meu roupão e camisola, claro que eu estava sem nada por baixo.
Deitados tendo como cúmplice a luz do luar, Marcus começou a chupar minha xoxota, eu devido à posição apenas o punhetava sentia seu cacete viril rígido como a uma rocha.
Com algumas lambidas e lingadas profundas me derreti em um gozo intenso.
Sentia a cada momento a intensidade de prazeres pelo meu corpo.
Ah que delicia.
Marcus com cara lambuzada de meu gozo sai de dentro de minhas pernas e colocando-me de (4).
Vem sobre meu corpo com urgência e total força. Sinto seus pelos arrepiados e como um garanhão começa a estocar com força seu cacete.
Minha xoxota lubrificada com meu gozo se abriu como uma flor para receber o mastro do garanhão.
Sentia sua respiração ofegante, Marcus bombeava com força. Acelerando cada vez mais. Apalpava minha bunda e vez ou outra me dava tapas falando obscenidade que instigava nossos desejos elevando ao êxtase.
Ah... Que potranca gostosa.
Ai que delicia sentiu meu cacete todo atochado em você senhora, rebola no cacete de seu garanhão, vai safada...
E assim que você gosta.
Seu corno não te dá cacete não... Rebola no cacete de seu macho.
Ah eu vou gozar... vo...vou goza...gozar.
E com estocadas frenéticas sinto seu cacete inchar e explodir dentro de minha xoxota.
Foi algo rápido, mas com intenso prazer, Marcus ficou algum minuto atracado a minha cintura e depois de algum tempo seu cacete foi saindo de dentro da xoxota.
Tirei a camisinha e com as mãos comecei acariciar seu cacete. Senti uma necessidade de chupar seu membro.
Minha boca salivava e sugava o restante de sua seiva.
Marcus ficou louco de desejo. Mas não tínhamos tempo.
Fui para casa sede feliz e aliviada, tentei conciliar o sono.
-Mas tive a certeza que tinha acabado de encontrar um amante.
Assim o tempo vai passando e comecei a frequentar mais o sitio. Mesmo durante algumas tarde.
Lá estava eu com o tratador de animais do meu marido. Que além de tratar de seus cavalos de raça estava domando sua potranca.
Que no caso sou eu.
Claro que faço possível para deixar meu garanhão fogoso sempre disposto a saciar meu desejo de fêmea no cio.
Ah... E meu marido também anda muito satisfeito porque resolvi acompanha-lo mais vezes ao sitio. Até esta falando de mudar de vez da cidade.
Claro que seria ótimo assim teria mais vezes com meu garanhão.
 Insaciável que é Marcus.
Nem podemos dá uma voltinha a cavalo no sitio que procura logo um lugar deserto para transar.
Como não sou de negar fogo sempre estou no maior rala e rola com ele.
Hum... Delicia ter um amante.
Assim continuo uma esposa dedicada à família e meu marido não reclama, pois.
Estou sempre presente. Claro que dou a ele vez ou outra quando ele está disposto. Enquanto que com Marcus faço as maiores loucuras.
Muito bom mesmo.




Docecomomel(hgata)
Vejam meus blogs
"Não confundam a autor com sua obra"
12/11/2012.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Enrabado pelo meu tio!







lá pessoal tudo beleza?
Hoje vim contar uma aventura que tive há algum tempo, na época eu não tinha noção do meu gosto sexual.
Foi assim que me definir completamente em ser gay.
Assim aconteceu:
Olho eu sou moreno claro cabelos curtos olhos e cabelos castanhos.
Meu rosto é delicado e minha bunda bem apetitosa.
Recebo muitas cantadas de muitos caras.
Alguns se dizem hetero, mas na hora do rala e rola adora dá lambidinha no meu cuzinho guloso.
Digo guloso porque quando ver um porrete encostar se abre todo para engolir.
Minha primeira transa  foi quando eu tinha 17 anos e meses, era um moleque ainda nem sabia dizer porque gostava de olhar meu tio ficar tomando banho.
O irmão mais novo de minha mãe morava na mesma casa que eu.
Meu cacete ficava duro, mas eu era bestinha nem sabia direito das coisas,
Até que um dia meu tio me pegou lhe espiando bater punhetas fez chantagem comigo, se não chupasse o cacete dele contaria para meus pais.
Eu além de ser besta estava gostando então fui com meu tio para o quarto dele, enquanto sua irmã que era minha mãe trabalhava.
Era algo novo, mas foi muito gostoso sentir seu cacete todinho dentro de minha boca em um vai e vem sem parar até que ele segurando minha boca gozou muito.
Eu gemia gostando, mas quase me afogo de tanto leite que o safado me fez beber.
Foi à primeira vez, depois com poucos dias ele me comeu, Aí foi uma coisa de louco.
Olhando para o passado agora não sinto raiva dele até agradeço por ter me libertado das mil e uma duvidas que tenha sobre sexo.
Meu tio Diogo era cinco anos mais velho e me fez ficar sua putinha por mais de seis meses.
Quando tivemos a primeira relação amorosa, foi algo animalesco porque não senti prazer, muito prazeroso foi para ele além de esfolar meu rabo, fez de mim sua rapariga, não foi nem uma nem duas vezes que eu estava dormindo e ele voltava da casa da namorada e ia direto para meu quarto me enrabar. Mas com pouco tempo as coisas mudaram.
Mas tomei gosto pela coisa e logo ficava já esperando, pois vinha de cacete duraço.
Mas a primeira vez foi assim, depois que me fez beber muito do seu leite, avisou que de noite me faria uma surpresa,
Eu fiquei esperando calado no meu quarto fingindo dormir sem saber o que fazer.
Se dissesse a minha mãe seria um pandemônio e com certeza iria ser mandado para algum colégio interno.
Então fiquei na minha comecei a ler como era relação de homem com homem.
Vocês podem até achar que seja tudo invenção, mas não foi, pois isto aconteceu no ano de 2005, morava no interior, não tinha muitos amigos, nem celular nem internet.
Agora as crianças e adolescentes já nascem sabendo sobre tudo e os pais são mais liberais.
Então Diogo veio da casa da namorada entrou, minha mãe estava dormindo meu pai viaja é caminhoneiro.
Assim que entrou ouvi seus passos indo ao banheiro e depois chegou até meu quarto.
Lucas... Chequei com tua surpresa!
Olha que trouxe para você!
 A sua voz era baixa...
Aproximou-se e sentando em minha cama foi dizendo, acorda que tenho algo para tu.
 -O que é Diogo?
- Abrindo a mão vejo uma calcinha na palma de sua mão.
-Tome vá vestir e vem logo.
-Mas isto é uma calcinha de mulher!
-É sim pequei da Eliana minha namorada quero ver minha putinha vestida com ela!
-Mas Diogo!
-Deixa de mais e vá logo vestir não te disse que você seria minha putinha.
-Anda ou quer que minha irmã saiba que você gosta de chupar um cacete?
Mas Diogo... Você me obrigou,
Sei que obriguei, mas você ficava me olhando direto, então porque gostava de ver meu cacete,
-Vamos logo Lucas estou morrendo de excitação.
-Assim cabisbaixo fui me virando de costa e tirando meu short de dormi vesti a calcinha, que era vermelha de rendinha.
Diogo se aproximou e pude ver que seu cacete estava bem rígido,
Fez-me sentar na cama e ficou esfregando seu cacete no meu rosto, ainda de roupa.
-Eu sentia seu cheiro de macho gostoso.
Depois de um tempo Diogo foi tirando sua roupa, e dentro da cueca saiu um cacete duro parecia uma tromba de um elefante.
Caracas eu ainda iria completar 18 anos, mas tinha meu corpo de menino.
Olhar para aquele cacete de pertinho, foi subindo um calor pelo corpo e comecei a sentir minha garganta seca, e sem palavras me aproximei e comecei a chupar seu cacete.
Lambia e chupava tirando e botando-o todo garganta adentro.
Ahh...
Meu sobrinho aprendeu rápido hein...
Assim minha putinha...
 Chupa o picolé de seu tiozinho...
Ai que delicia. Tesão...
E u chupei  muito por mais de dez minutos, nem podia gemer com medo de minha mãe acordar
Já sentia a calcinha molhada de minha gala ralinha  , saia pouco parecia uma  aguinha branquinha.
Depois de um tempo chupando Diogo ele mandou eu ficar de quatro na cama e veio se encostando, alisava minha bunda dizendo coisas.
Afastava a calcinha de um lado para outro.
Ai que bundinha linda meu sobrinho tem.
Com esta calcinha, entrando no rego me deixa doido de excitação.
Hum... Que delicia de cuzinho virgem...
Ah que estou doido para arrombar teu cuzinho meu priminho.
E assim ficava encostando o cacete na porta do meu cuzinho , tirava , encostava novamente forçando depois começou cuspir e com um dedo ficava dedilhando meu anel.
Depois foi com dois dedos.
Sentia minhas pregas ardendo, mas estava gostando... O safado sabia fazer as coisas ficarem gostoso.
Diogo ficou um bom tempo brincando com dois dedos no meu rabinho e alisando minha bunda.
Depois o safado pegou e ficou me masturbando e com meu próprio pré - gozo lambuzava meu rabinho virgem... Ou quase virgem  já que seus dedos já tinham entrado quase todo no meu cuzinho.
-Ai em um momento Diogo falou olha vou fazer uma coisa só para te animar... Mas é só hoje viu minha putinha?
Diogo me virou e eu ficando de barriga para cima, ele inclinou-se e começou a me chupar.
Gemi gostoso, pois nunca tinha sentido um prazer tão intenso como senti com sua boca no meu pequeno cacete.
Mas foi poucos minutos, senti meu membro ficar mais duro e com suas chupadas fiquei mais alegre.
Comecei a sentir sensações em meu corpo jamais sentidas.
Mas durou poucos minutos minha alegria. Pois logo ele tirou da boca e com rapidez colocou minhas pernas em seus ombros encapou o cacete com camisinha com cheiro de morango e começou encostar seu cacete na porta do meu anel.
A cabeça entrou soltei um sonoro gemido, mas Diogo não tirou o cacete.
Falou relaxa e aproveita e falando sacanagem metia o cacete e parava para eu poder me acostumar.
Ah como doeu nas primeiras estocadas, eu gemia tentava me sair, mas ele mais forte que eu me prendia com peso de seu corpo.
Diogo era forte ainda mais com a vontade que estava de foder.
Ele encostava o cacete e ficava parado, ai depois forçava novamente e parava.
Assim o tempo ia passando eu relaxando com suas investidas estava gostando.
Foi naquele momento que me descobri que era realmente gay que gostava de cacete encravado no cu.
 Diogo me viu relaxando pegou me virou de quatro (4) novamente e benzutou seu cacete com um gel e ensopou meu cuzinho e em pé na beira da cama esperava o momento certo.
Ai Lucas está doendo está?
Um pouco Diogo... Mas pode meter com vontade que estou preparado!
Ah meu sobrinho querido quer cacete quer?
Sem esperar resposta... Meteu fundo e eu gostando respondi que sim.
Quero sim tio ser sua putinha.
 Diogo nem esperou terminar a frase segurou na minha boca com uma das mãos e com a outra segurou seu cacete e enfiou com vontade no meio do meu rego.
Aí vi estrela rodarem... , Ai como doeu...
Gemi forte ele parou alguns minutos.
Sentia seus pelos pubianos encostando-se à minha bunda.
Caracas como foi que meu cuzinho coube aquele mostrengo todo.
Diogo tirou a mão de minha boca e com poucas palavras dizia aproveita safado, pois agora sou seu macho de verdade rebola no cacete de seu tiozinho rebola.
Minha putinha gostosa.
E um vai e vem desenfreado comecei a rebolar a dor deu espaço ao prazer.
E Diogo com estocadas firme e forte explorou cada pedacinho de meu anelzinho fazendo de mim sua putinha...
Minhas pregas ardiam, mas era suportável, pois a imensidão do prazer era maior.
 Demorei a gozar, era o meu primeiro orgasmo, foi assim que comecei sentir meu cacete expelindo leite.
Diogo sentiu meu cuzinho apertando seu cacete e acelerou as estocadas,
Foi algo bom demais.
 -Ai que delicia sentir meu gozo pela primeira vez ainda, mais com um cacete encravado no rabo.
Não demorou muito o Vuc... Vuc. do cacete de Diogo dento do meu rabo.
Suas veias dilataram e inchou nas minhas entranhas e começou a encher a camisinha.
Delicia minha primeira vez, de gozo de tomar leitinho e de receber cacete na bundinha.
O tempo passou as coisas mudaram, mas eu continuo gostando de macho Diogo meu Tio casou foi embora para São Paulo e eu continuo com meu gosto por homens.
Só que agora tenho outra visão.
Sou publicitário tenho minha independência financeira e escolho com quem quero compartilhar meus momentos de prazer.
Também saio com alguma mulher que me apetece, mas na verdade adoro um macho bem viril.
E se for um bem dotado amo de paixão de gozar muito com porrete atochado no meu cuzinho.
Pode ser que critiquem, mas o gosto é meu se sentir dor serei eu e sentir prazer também serei eu.
Então só posso aproveitar os bons momentos que a vida me oferta.
Beijos e comentem, por favor.

Docecomomel (hgata)
Vejam meus blogs
"Não confundam o autor com sua obra"
http://sensacoescoemocoes.blogspot.com.br/


 

sábado, 3 de novembro de 2012

Transando com duas safadas





Olá meu nome é Jaime
 É a primeira fez que vou relatar uma história verídica aqui nesse site.
 Bom eu tenho 23 anos sou negro, e um corpo sarado, as pessoas me consideram bonito.
 Bom hoje venho contar uma história que me aconteceu quando eu estava de férias no começo do ano no sitio de meus pais no interior de Aracaju.
O sitio era perto de um vilarejo onde tinha praia.
Muito sossegado em dias normais, maior movimentação era em dias feriados e no verão.
Estava tranquilo sentado na beira do mar, a praia estava bem vazia, pois era bem cedo e estava um dia meio nublado.
 Mas vi ao longe algumas pessoas tomando banho de mar, fiquei admirando de longe, duas mulheres com corpos bronzeados pareciam muito lindas.
 Então resolvi ir até elas para conversar e quem sabe poderia rolar alguma coisa.
  Ao chegar me apresentei e trocamos dados triviais, fiquei sabendo de onde eram elas, na conversa descobri que elas estavam no hotel que é perto de nosso sitio.
Eu, então resolvi convida-las pra um banho de piscina lá no nosso sitio.
Adorei... Pois elas aceitaram eu notei que elas pareciam bem putinhas, uma de 24 e outa de 22 anos.
Achei legal terem aceitado.
Claro que ia xavecar se topassem seria ótimo nada forçado.
 Elas chegaram ao sitio naquela mesma tarde, estavam com uns biquínis que não tapava nada quando observei direito e vi aqueles seios lindos e suas belas bundas, logo fiquei excitado.
 Assim fomos para a piscina ficamos conversando por alguns minutos, ate que elas disseram que adorariam fazer topless.
Eu disse que se quisessem poderiam, mas isto me deixaria louco de tesão:
Elas riram e falaram que baixariam meu tesão.
Eu disse que adoraria mesmo, fui logo perguntando se topariam mesmo.
Elas acenaram cabeça afirmativamente.
Eu ri e dizendo que gostaria de fazer um sexo a três (3).
Ah que delicia! E você aguentaria com nós duas?
Claro se não pudesse comer as duas chuparia tanto ate deixa-las saciadas.
Afinal elas eram muito gostosas. Elas riam e tirando suas roupas se jogaram na piscina.
Eu mais que rapidamente fiz o mesmo.
Claro que não sou bobo em rejeitar duas putinhas entregando-se de bandeja para mim.
Logo aceitei a oferta e fui pra cima de uma delas e comecei a beijar e tirar a sua timidez, se é que estavam tímidas,
Aline correspondeu a meu beijo.
Sentia meu cacete cada vez mais duro da proximidade de seu corpo nu sob a água;
Ela ficou na borda da piscina, enquanto Lara a outra amiga se aproximou, por trás de mim.
E já veio pegando no meu cacete duro, a deixei me ficar punhetando com a mão enfiada na sunga. Depois de um tempo pequei Aline pelo colo colocando-a sentada na borda da piscina e comecei a lamber aquela linda xoxotinha enquanto a outra amiga tirou minha sunga começou a chupar meu cacete.
 Aline gemia com as lambidas na sua xoxota que parecia que ia chorar de tanto prazer.
Saímos da agua e deitando-a em uma das cadeiras da piscina castiguei com chupadas mais intensas.
Uma delicia chupar sendo chupado.
Sentia seu melzinho escorrendo pelas beiradas da xoxota.
Foi uma delicia.
Queria meter fundo na sua xoxota gulosa, mas queria prolongar a farra ao máximo possível.
Lara me pediu pra eu a chupar também.
Ai que ficou bom duas xoxotinha junta a minha disposição. Eu estava louco de negar a um desejo daquele, as duas deitadas juntinhas comecei a chupar uma e outra.
Sentia seus fluidos se misturarem em meus lábios uma delicia de sacanagem.
Depois de um tempo só explorando suas xaninhas e provando de seu delicioso gozo.
Pedi que as duas ficassem de quatro na cadeira que, queria escolher a mais gostosa pra eu fuder primeiro.
 Uma decisão muito difícil.
Bom então peguei as duas e deixando-as de quatro eu comecei a meter bem devagarzinho em uma enquanto a outra eu dedilhava a xoxota ensopada,
  Estava me deliciando com aquelas xoxotinhas deliciosas.
Era gostoso demais ouvir as duas gemerem uma pedia para meter mais forte a outra pedia que a fodesse mais fundo.
Em metia o cacete todo até o talo.
 A... Comecei a meter sem dó nas duas com muita força, logo tirava meu cacete de uma e metia em outra.
Pareciam duas potrancas esperando um garanhão reprodutor gemendo pedindo mais e mais cacete.
Aline gozou alucinadamente na cabeça do meu cacete.•.
Que delicia sentir seu corpo enrijecer e entrar em convulsão de prazer.
Ela se acalmou um pouco e fui me dedicar a Lara que me pediu que a deixasse me cavalgar.
Lara era mais fogosa e experiente veio sentou no meu cacete.
 Ficou subindo e descendo controlando seus movimentos de acordo seu gosto.
Uma safada que sabia provocar o meu tesão.
Quando ela sentou e cavalgou nele por um bom tempo.
Fiquei alucinado já não estava aguentando segurar o gozo.
Depois de alguns minutos senti Lara acelerar sua cavalgada e gozar.
Eu apertava sua bunda e acariciava seu anelzinho
.Que mordiscava meu dedo enquanto gozava no meu cacete.
Eu já tinha saído com duas putas junto, mas estas duas estavam de parabéns de tanto fogo que estavam.
Ainda bem que eu sabia controlar meu gozo para deixa-las cada vez mais satisfeitas.
Quando Lara já estava gozando eis que Aline toda safada vem e senta na minha cara com xoxota toda arreganhada e ensopadinha de tesão.
Ai fui à loucura.
Uma xoxota no cacete e outra na ponta da língua coisa boa demais.
Caprichei em lambidas e sugadas e logo fui premiado com belo gozo na ponta da língua.
Assim as deixava saciadas e felizes,
Lara gozou e saiu de cima do cacete, mas ficou me chupando sentindo seu próprio gosto,
O sabor de sua própria xoxota.
Estava prestes a explodir foi quando pedi para que as duas (2) ficassem de quatro (4) eu comecei á meter um pouco em cada uma.
Um delicia duas xoxotinhas ensopadinha recebendo meu cacete que parecia que ia estourar de tão duro.
Estocava com firmeza em uma e outra sentia o calor de suas xoxotas, que pareciam um vulcão incandescente recebendo meu cajado com todo vigor.
Como não poderia gozar nas duas acelerei as estocadas e já prestes a gozar tirei a camisinha e
Gozei em cima delas feito louco!
Pareciam duas bezerrinhas famintas brigando para ver quem bebia mais do meu leitinho.
Deitei ao lado delas e as duas vieram pra cima e me lamberam e chuparam deixando meu cacete limpinho e pronto para outra sessão de sacanagem.
Como não pode faltar.
Acho que vou ter dois cuzinho para arrombar.
Serei mais cauteloso um de cada vez para saborear o prato mais apetitoso da orgia da tarde.
Fomos tomar um banho e ouvi as duas conversando entre si.
Fiquei na minha, só depois soube que estavam combinando quem daria o rabo primeiro.
Aline teve mais sorte e logo foi tomar banho comigo.
Meu cacete estava bem duro, a safada ficou masturbando e deu lambidas deixando mais fogoso ainda.
Não perdi tempo no banho mesmo untei seu rabinho com creme que encontrei no banheiro. Botei camisinha e a fiz ficar encostada no armário.
Encostei lentamente meu cacete logo sentia seu anel piscar, bem encharcadinho, empurrava e parava depois empurrava de novo ai quando a cabeça entrou parei. Foi quando senti Aline rebolar vindo de encontro a mim.
Foi uma sensação deliciosa o cacete entrou fundo.
A safada parecia potranca rebolando no meu cajado.
Como ela queria eu a estocava com força e meu cacete entrava e saia de uma vez.
A safada gemeu e caprichei acariciando com as pontas dos dedos seu clitóris.
Parecia uma potranca no cio, gozou entre meus dedos.
Ai seu cuzinho ficou mordiscando meu cacete.
Aproveitei de seu gozo e comecei uma sequencia de estocadas puxando-a de encontro a mim pela cintura e gozei.
Sentia meu cacete latejando em seu rabo, que ficou mordiscando me dando mais prazer ainda.
A outra amiga enquanto me via enrabar sua colega batia uma siririca e assim que me viu tirar o cacete do cuzinho da colega veio para perto e foi logo dizendo que queria também.
Eu apenas respondo deixa o guerreiro descansar um pouco para que você também possa sentir ele todinho atochado em você.
Sem palavras abaixou e já começou a chupar meu cacete.Que deu sinal que já já estaria pronto para outra investida.
Já vi duas putinhas insaciáveis, mas iguais aquelas duas ainda não tinham provado.
Logo volto para relatar a façanha deliciosa. Que foi meu final de semana com as duas safadinhas quando voltamos para cidade e fomos a um motel.

Docecomomel(hgata)
‘“Não confundam o criador com a criatura”
Vejam meus blogs
http://sensacoescomemocoes.blogspot.com.br/
Imagem do google

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Minha colega de trabalho safada !






Olá.
Estou trabalhando em uma empresa que faz manutenção e limpeza e organização de condomínios.
Muitos funcionários periódicos.
Mulheres e homens que aproveitam período de férias escolares para ganhar uma renda extra.
Bem eu e mais duas colegas fomos designados a limpar duas casas conjugadas,
Era bom eu ficava com a parte que precisava subir escadas e vidraças enquanto as duas moças limpavam chão.
 Até que era bom... Mas Aline e Rosa eram muito safadinhas, me provocavam, ficavam de top e algumas vezes me deixava ver seus seios quase todo.
 A semana passou ligeiro e em uma bela sexta-feira o trabalho estava no final às moças já tinham feito sua parte, e vieram me ajudar.
Aline subiu na escada para colocar as lâmpadas do lustre que eu havia limpado.
Eu fiquei segurando a escada e quando olho para cima vejo uma cena linda...
Aline safada sem calcinha com xoxota lisinha.
Ai brinquei poxa Aline assim você me deixa louco de tesão.
Ela riu dizendo é mesmo você nem olha para nós como mulher!
-Ah tento manter respeito Aline, mas quando chego a minha casa bato cada bronha, pensando nas minhas colegas safadas que me provocam dia todo.
Assim Aline desceu a escada e eu como estava segurando fiquei teso quando ela ficou parada entre eu e a escada.
Eu não tive como não me encostar por trás dela meu cacete ficou encaixado certinho no rego da sua bunda.
Foi uma enconchada boa deu pra sentir o calor de seu corpo. Aline é bem gostosa e bem safada também.
 A safada riu e disse nossa que tesão... Marcos isto tudo é para sua coleguinha é?
 E se se encostando a mim virou de frente e começou a esfregar a xoxota no meu cacete que parecia um porrete.
 Aline era safada mesmo pegou em minha mão e fomos para um dos quartos da casa que já estava limpo, encostamos a porta, mas sem antes Aline avisar a colega.
Oh Rosa estou limpando aqui o quarto, mas o Marcos já voltamos.
Rosa gritou lá do fundo da casa.
Está boa Aline pode demorar tempo que quiser... Sei que você esta doida por isto.
Ficamos abraçados e Aline se esfregando encostava a xoxota toda no meu cacete.
Claro que eu entrava no clima a fazendo rebolar mais no meu cacete.
Que de tão teso já soltava uma babinha.
Que delicia a putinha toda entregue a safadeza.
Quando eu tirei o cacete pra fora fui colocando devagar entre as pernas de Aline,
Ela gemeu e abrindo-se toda comecei a penetrar à xoxotinha molhada, parecia que estava tarada, pois safada rebolava muito no meu cacete.
Dei estocadas firmes e vigorosas fazendo a putinha gostosa gemer muito.
Depois de algum tempo encostei suas mãos na parede e por de trás recomeço um vai e vem, uma delicia apalpava seu seio dava tapas em sua bunda à safada pedia que puxasse seus cabelos e como se fossem uma crina de uma potranca no cio segurando-a e metendo com mais força senti seu melzinho escorrer pela cabeça do cacete.
Que gostosura sentir seu orgasmo.
Eu não parei de meter provocando-a mais ainda.
Estava bom demais e ambos estávamos gostando,
Esperei alguns minutos e sentir seu prazer foi bom demais.
Tirei meu cacete de sua xoxota e me ajoelhei fui provar de seu mel.
Que cheiro gostoso parecia que era adocicado seu gosto, me fartei lambia e mordiscava seu grelinho provocando-a mais ainda.
Aline era muito safada e gostosa. Deixou-me mais louco de desejo quando caiu de boca no meu cacete. Um sessenta e nove delicioso(69)
Ela se virou e começou a chupar bem gostoso colocava tudo na boca, e me olhava com cara de safada e mexia nas minhas bolas lambendo todo meu saco!
Deixando-me alucinado batia uma punheta bem gostosa, ali mesmo no chão do quarto sobre papelão.
Parecíamos ensandecidos pelo tesão.
Eu estava prestes a gozar quando ela pede pra gozar nos seios...
Aí foi bom ela chupando meu cacete eu estocando levemente até que senti meu cacete se avolumar na sua boca, retirei e com intenso prazer direcionei em seus seios e cara.
A puta bebeu um pouco do meu leite e depois veio me beijar.
Sentir o gosto de minha própria porra.
Ficamos um tempo relaxando e fomos tomar um banho.
 Tomamos banho e arrumamos a bagunça e fomos embora.
Lá fora encontramos nossa colega que entre risos falou.
Vocês hein gemem alto demais tive que bater uma siririca por causa de vocês.
Aline riu e falou porque não veio se juntar a nós?
A outra respondeu bem que pensei... Mas deixa para outro dia.
Está certo Marcos?
Claro adoraria comer as duas putinhas juntas.
Agora sempre em finais de semana eu saio com Aline e vamos a motel.
E muito safada adora sexo tanto quanto eu e vamos seguindo em frente sem compromisso, mas com muita safadeza.
Adora transar debaixo do chuveiro.
E na ultima vez que saímos adorou ser enrabada na banheira do motel.
Sabe daquelas que quando mais geme quer que atoche mais, pois é assim Aline quando fazemos anal com cacete atochado até o talo.
Pede que meta mais.
Nossa que delicia eu adoro montar em sua garupa sinto seu cuzinho mordiscando muito meu cacete.
E quando já a fiz gozar intensamente explodo e logo a puta cai de boca no meu cacete deixando-o limpinho.
Enquanto der nosso relacionamento de prazer vai durando até quando não sei.
Pois agora a safada está de caso com engenheiro da obra, ele é velho e casado, mas Aline disse-me que adora chupar sua xoxota e que depois de muita chupação ainda consegue gozar. Fico na minha a deixo fazer o que quer, mas quando vamos transar a safada se acaba de gozar no meu porrete.
Eu é claro não deixo por menos fodo até dizer chega.
Se ela não é minha mulher e dá pro coroa eu nem ligo com dinheiro dele sempre vamos aos melhores motéis da cidade.
Ela é safada e eu também.
Quero mesmo é gozar dentro da safada que é muito gostosa.


Docecomomel(hgata))
vejam meus blogs
25/10/2012
"Não confundam o autor com suas obras"

domingo, 21 de outubro de 2012

Uma amante casual e safada demais!








Uma Amante Casual Safada Demais.
Olá eu sou Fernando sou militar, sou casado, mas não sou castrado deu mole estou dentro.
Até que vivo bem com minha esposa, mas sou muito safado e no meu trabalho, fico na parte de administrativo sempre acesso a web. Não tenho amante fixa, mas sempre acontece de curtir com uma ou outra mulher. Pois adoro transar sou um macho 100% comedor de xoxota.
Assim acontece: Em horários de pouco movimento acesso chats e acabo conhecendo muitas mulheres.
Algumas bem safadinhas conversaram ficamos íntimos já rolou até encontros.
Adoro ler contos... Minha imaginação vai longe .
Eu fico tão excitado que acontece de me ver forçado a masturbar no banheiro do quartel.
Não é certo, mas não posso ficar com cacete duro dia todo não é?
Eu tenho 40 anos e sou bem conservado fisicamente.
Faço musculação caminhadas. Só tomo cervejinha em eventos de família o mínimo possível.
Minha aventura começou quando eu decidi entrar no bate papo da cidade, estava de bobeira e não tinha pretensão de nada. Iria trabalhar até mais tarde naquele bendito dia. Assim no bate papo de um site eu acabei conhecendo uma pessoa legal que estava de férias aqui em Brasília.
Achei a conversa muito legal. Depois da troca de informações básicas tipo idade eu 40 e ela (Marcia) 38 anos divorciada.
Depois que ela (Marcia) disse sua idade eu me desinteressei um pouco, pois já imaginei uma coroa... Mas como sou louco de excitação por uma xoxota nova continuei a conversa.
 Como o novo desperta a libido logo estávamos no MSN.
Continuamos a teclar ai perguntei se poderia vê-la pelo Webcam.
E ela aceitou daí no Webcam eu me apaixonei
Marcia era uma coroa sim, mas sarada com seios médios um par de coxas de parar o transito a bunda gostosinha mesmo.
Claro que analisei todos estes detalhes sob a roupa.
Estava com um vestido de alças que dava pra ver o colo de seus seios apetitosos.
Achei-a muito gostosa ainda mais quando confirmou que era divorciada.
Ela também disse que gostou de minha pessoa.
Eu como descrevi acima sou bem conservado, tenho cara de uns 35 anos cara de macho e ela gostou de minha fisionomia ate me achou um gato, também eu tenho 82 kg 179.
Viu-me fardado adorou...
Só uso farda se vai para casa de carro, pois tenho algumas medalhas e chama muita atenção ainda mais com meu porte atlético.
Assim ficamos de prosa até tarde:
 Aí ficamos conversando um bom tempo, ainda mostrei o volume do meu cacete sob a roupa e afirmando que estava muito excitado de está conversando com ela e a convidei para sair. Ela aceitou assim ficou acertado que no dia seguinte, que seria um feriado poderíamos sair.
Mas disse com todas as letras que não sou homem de sair com mulher para beijos e abraços que queria era sexo
Ela riu e aceitou dizendo que o tempo de ficar em beijinhos já passou para ela também.
Adorei saber disto.
Acordei cedo e saí como se fosse para trabalhar,
Sabia que iria rolar uma aventura, mas não podia dá bandeira com a esposa senão estaria formada a guerra do ano.
 Então era exatamente 10 h com endereço em mãos fui à casa dos amigos de Márcia onde ela estava hospedada.
Fui com firmeza, mas com receio de encontrar alguém no condomínio.
Mas por sorte não avistei ninguém de meu circulo de amizades.
Seus amigos tinham saído e só voltariam no sábado.
 Quando ela veio me receber ai fiquei louco de excitação, com cara de safada, roupinha justa e apertada desenhando a xoxota cheinha...
Um pitéu mesmo.
De imediato fiquei excitado tinha certeza que fui ali mesmo foi para transar meu cacete parecia que ia explodir dentro da farda.
 Começamos a nos beijar e logo fomos para o quarto.
Só fizemos entrar à Marcia já começou a tirar a minha roupa ai eu é claro que a deixei só de calcinha,
Que por sinal era vermelha muito sex de rendinha.
Quando vi aquele monumento de mulher na minha frente,
Não pensei duas vezes a joguei na cama meu cacete ficou mais duro ainda.
Não teve jeito cai de boca na xoxota lisinha e cheinha e afastando calcinha de um lado para outro lambia e mordiscava seu grelo que parecia uma chupetinha de bebê.
Márcia gemia se enroscando e apertando minha cabeça de encontro a sua xoxota gulosa.
Senti a explosão de seu desejo e lambi e suguei seu melzinho todo.
Fiquei mais tarado ainda.
Estava na seca a safada, depois me disse que fazia tempos que não trepava.
E gozou muito!
Ai foi gostoso demais quando ela virando-se caiu mamando no meu cacete, ela todo gulosa me pegava com força, começou a lamber todo meu mastro.
Parecia que iria engolir sentia cabeça do cacete encostar-se à sua garganta.
Estávamos possuídos pelo êxtase.
Fazia tempos que não sentia tantas chupadas e lambidas pelo meu corpo inteiro.
Safadeza era total.
Quanto mais ela me lambia eu gemia de tesão.
E me pedia para chupar mais seu grelinho.
Era muita excitação, daí cai de boca na xoxota melada de novo a fiz gozar novamente.
Marcia parecia que estava possuída rebolava e gemia muito na minha cara me lambuzando de seu mel.
Sua boca era quente e macia, sabia como ninguém chupar uma caceta, engolia e deslizava gostoso pra dentro sem deixar bater os dentes, sendo muito gostoso e mostrando a habilidade que tem em fazer um verdadeiro boquete.
 Enquanto chupava, alisava sua grande e gostosa xoxota carnuda.
Sentia como ela a cada momento ficava mais e mais volumosa e molhada.
Sua xoxota era muito gostosa, seu cheiro delicioso e o gosto melhor ainda.
Márcia gozava de tal maneira que chegava a escorrer pela lateral da xoxota aberta e assim molhava inclusive suas lindas e grossas coxas.
Mas eu como sou safado e tarado não dava mole fazia questão de sugar tudo, deixando tudo sequinho e pronto para molhar novamente não sei nem mais quantas vezes ela gozou, só fazia questão de chupar tudo, já que também é o que mais gosto de fazer numa deliciosa e carnuda xoxota gulosa.
Fazia um tempo que não dava uma pulada de cerca e estavam aproveitando para soltar todas as minhas fantasias com Marcia uma coroa gostosa safada e muito fogosa.
Vendo-a assim com as pernas escancaradas e a xoxota toda aberta tenho a vontade
De querer penetrar meu rosto naquilo tudo e assim continuar sugando sem parar.
Enquanto faço-a gozar mais e mais
.Depois de provar mais uma vez de seu gozo Marcia recomeça um baqueteei sem conseguir me controlar começo a gemer de tesão.
Já estava quase gozando quando levanto e levando Marcia comigo a encosto na parede, mordiscando seu pescoço, apalpando seus mamilos.
E entre enconchadas e apertos encaixo meu cacete entre suas pernas.
Eu ficava abraçando-a segurando-a pelos braços, forçando meu corpo de encontro ao seu.
Depois dei uma encaixada no cacete entre suas coxas que foi direto na xoxota gulosa.
Márcia gemeu igual uma gata no cio.
Empurrei e tirei e forçando mais uma vez e me jogando contra seu corpo
Dei sucessivas estocadas sentia meu cacete se avolumar mais ainda.
Mas me controlava para não gozar.
Sempre assim extraio o prazer máximo da minha fêmea para depois então... Gozar!.
Tirei meu cacete todo lambuzado e fomos de novo para cama.
Recomeçamos um sessenta e nove (69) a joguei na beirada da cama e com todo excitação do meu desejo a chupei novamente.
Marcia parecia que não conseguia parar de gozar,
Claro que isto me deixava mais alucinado.
 Depois de muito faze-la gozar abracei-a e com jeito safado fiz uma garganta profunda, ela chupou e lambeu meu cacete saboreando de cada gota de meu leite.
Foi maravilhoso sentir minhas jatadas de leite na garganta de Marcia
Assim passados alguns minutos ela me disse que minhas chupadas e lambidas eram muito boas.
Que fazia tempos que não sentia um prazer tão completo assim.
Ficamos abraçados e Márcia me confidenciou que gostaria que eu a comesse vestido de farda.
Pois como não sei se nos veremos de novo, tomamos um banho e eu vestido com farda coloquei de bruços na mesa do computador e com braguilha aberta com cacete para fora a fiz gozar novamente.
Êta putaria gostosa ver a safada rebolando gozando com meu cacete encravado em sua gruta quente. Ela relaxou o corpo e...
Márcia ficou com corpo apoiado na mesa e com a bunda pra cima me ofertava seu anel.
Como sou safado mesmo fiquei dedilhando enfiando um dedo e logo já estava com dois dedos enfiados no rabinho da safada que gemia adorando.
Falei de comer seu cúzinho ela negou ai fiquei só nas encouchadas, camisinha super. Lubrificadas com nossos fluidos me deixava com cacete mais teso ainda.
Aí fiquei só enconchando sentindo o calor de seu corpo. Depois dei uma leve empurrada a cabeça cedeu, adentrou seu cúzinho quente aí parei sentir sua respiração ofegante,
Matreiro ficou só com carinhos, mas sem afastar cabeça do cacete do seu anelzinho que latejava mordiscando meu cacete.
Não vi outra opção se a cabeça passou o resto também passa segurou-a pela sua cintura e com uma estocada só afunde meu cacete no cúzinho da potranca que gemia e gritava, mas pelo prazer do que pela dor.
Aí ficou fácil fiquei alguns minutos parados esperando se acostumar e logo voltei a estocar com mais frequência sentindo a potranca da Márcia rebolar com meu cacete atochado no seu cuzinho apertadinho.
Não aguentei muito e depois de uns dez minutos eu estava enchendo a camisinha de leite era...
Muito gozo!
 Êta trepada gostosa sentia seu caldinho escorrendo nas pontas de meus dedos.
Já vi mulheres gozar várias vezes, mas igual à Marcia é a primeira vez.
Isto é bom demais.
Explorei cada minuto de seu gozo.
Sentia suas pernas tremulas.
Recomeço nova sessão de carinhos e logo estou deitado com a xoxotuda sentada na minha cara.
 Recomeça a gemer e goza muito, foi algo bom demais.
Eu até pensei que ia me afogar de tanto mel que a safada despejou na minha boca.
Quando olhei no relógio já eram quase 15 h, Como precisava ir buscar meus filhos na casa dos avós.
Tomei um banho e me despedir, mas sem deixar de anotar seu celular, pois no outro dia a queria em meus braços novamente.
Assim aconteceu novo encontro só que agora fomos a um motel.
Marcia adorou e já liberou seu rabo gostoso novamente que adorei comer... Só que agora sem pressa.
Mas depois eu conto mais detalhes de outras vezes que saímos juntos. Sempre em finais de semana ,agora  que ela está vindo passar aqui em Brasília e estou pensando seriamente em adota-la como amante fixa,
Já que minha esposa fica de cheia de não me toques preciso aproveitar o tempo, pois todos nós temos data de validade.
E eu quero é foder muito... mesmo.

Docecomomel (hgata)
Visitem meus blogs
“Não confundam autor com sua obra”
“Seu comentário é sempre bem vindo
Imagem do google

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...